Contatos 11 3492-0169 11-5513-6064        11- 98255-6755 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS VOLTAR PRÓXIMA HOME
OMO EXÚ (FILHO) Arquétipo de um filho de Exu Muito   se   escreve   e   fala   sobre   o   Orixás,   suas   particularidades,   suas   energias,   suas   qualidades   ou   Epítetos,   muitos   Itãs,   Orikis   e   claro   muitas   cantigas   para   louva-los.   Muito   se   escreve   e   fala   sobre   o   Candomblé,   Umbanda, Jurema,   Batuke,   Ifá,   cultos   a   Yiamim   e   babaegum,   todos   tem   muito   a   dizer   é   a   ensinar   sobre   todos   esse   cultos ou   religiões   como   preferir,   famílias,   nações,   dialetos   e   cânticos,   etc.   mas   pergunto   e   as   pessoas?   O   que   seria   de todos esse cultos e religiões sem a pessoas? Quem   faz   o   Candomblé   não   são   o   Orixas,   até   porque   foram   as   pessoas   que   criaram   o   Candomblé   e   demais cultos,   os   Orixas   não   precisam   de   nada   disso,   somos   nós   que   precisamos,   somos   nos   que   dependemos   desses cultos e dos Orixas não eles; Então porque não falamos da peça mais importante no Candomblé "NÓS"!! Neste post falarei dos Omos  Exú (filhos), omos esses tão enigmáticos como o próprio Orixá. O    arquétipo    psicológico    associado    aos    omos    (filhos)    de    um    Orixá    é    a    síntese    das    características comportamentais   que   fazem   parte   de   cada   Orixá   e   que   são   atribuídas   aos   seus   filhos.   Não   deve   ser   encarado como    camisa    de    força    que    limite    os    seres    humanos,    mas    guias    de    comportamento.    Essas    guias    de comportamento ou matrizes, são os Orixás. Os   Omos   Exus   são   muitos   enigmáticos,   trazem   em   sua   personalidade   toda   a   complexidade   da   personalidade   de Exu,   Exu   é   o   único   Orixa   que   anda   por   todas   as   terras,   nações,   tanto   no   Orun   como   no   Ayé,   Exu   se   veste   com todas   as   cores   de   acordo   com   a   ocasião   e   local,   nas   terras   Fun   Fun   veste   branco,   etc.   Seus   omos   não   são diferentes,   podem   até   ter   uma   cor   de   preferencia   mas   não   tem   nenhuma   que   não   vistam   se   necessário   e   se sintam   bonitos   e   atraentes,   precisam      estar   sempre   em   atividade   para   poderem   liberar   toda   a   energia   que possuem. Possuem muita tendência à espiritualidade; são fiéis fervorosos que esbanjam muita fé. Um   omo   Exu   não   tem   apenas   uma   característica   especifica,   ele   carrega   um   pouco   da   característica   de   todos   os Orixas;   Um   Omo   Exu,   tem   a   comunicação   e   a   politica   de   Exu,   a   ira   de   Ogum,   a   truculência   de   Oxossi,   a impaciência   de   Ossaim,   a   brutalidade   de   Omolu,   a   inteligencia   de   Oxumare,   a   ranzinze   de   Nanã,   a   esperteza   de Yewa,   a   doçura   de   Oxum,   a   sedução   de   Logum,   o   descontrole   de   Oya,   a   força   de   Oba,   a   majestade   de   Xango,   a bondade   de Yemanja,   a   astucia   de   Oxanguian   e   a   justiça   de   Obatala; Tudo   devidamente   dosado   e   usado   quando necessário,   um   omo   Exu   dificilmente   e   passado   para   trás   e   quando   acontece   o   culpada   é   desmascarado   e devidamente punido por Exu. São   bem   humorados   mas   se   irritam   fácil,   gostam   de   comer   é   de   tudo,   são   bonachões   e   amorais,   gostam   de privacidade   mas   se   metem   na   vida   e   nos   problemas   dos   outros   facilmente,   não   gostam   que   mintam   pra   ele podendo   terminar   uma   amizade   ou   relacionamento   de   longa   data   por   conta   de   uma   mentira,   são   sensuais   e   dão mais   valor   a   um   bom   sexo   do   que   a   beleza   física   do   parceiro,   gostam   de   festas   mais   sempre   ficam   de   canto sozinhos, se uma pessoa lhe é solidaria e verdadeira são fieis a ela eternamente!! Ser   omo   Exu   não   é   tarefa   fácil   ou   um   privilegio   como   muitos   falam   por   ai,   Exu   e   um   Orixa   pouco   tolerante   a   erros ou   fraquezas   mundanas,   não   permitindo   assim   que   seus   omos   sejam   mentirosos,   maldosos,   trapaceiros   ou   mal caráteres, um omo Exu não pode desejar o mal a ninguém, enganar ou trair correndo o risco a duras punições. Exu   e   ciumento   e   possessivo   ,   não   permitindo   em   muitos   casos   que   outra   divindade   ou   entidade   encorpore   em seu Elegun mas o mesmo deve reverenciar todos os Orixas. Exu sempre recompensa a seus omos dedicados! Moléstias que são propensos a ter. Os  filhos  de  Exu são propensos  normalmente  são assolados por  uma forte dor de cabeça, crescem, vivem e  morrem  com  ela ,possuem  também  sérios  problemas no fígado, coluna e estomago.Devem evitar bebidas alcoólicas.  Na parte exterior do corpo  carregam um  sinal , como a  marca do  Orixá , sempre nas mãos, pés  ou olhos. ASSENTAMENTOS DE EXUS Assentamentos de exu toronibatola, tiriri, marabo, akesan, barakesan, bara ifa, alaketu, igbaragbo, eleru, yangi, omitalade, ona ori e abewin olá geri: Exu toronibatola (Sango e yemanja) Material necessário: farinha de mandioca torrada, limalha de aço, carvão mineral em pó, um pedaço de ferro, alguidar, ouro velho, 7 moedas antigas, osun, efun, areia de praia, lama de mangue, terra de banco,aridan ralado, prata, obi vermelho, azeite de dendê, tabatinga branca, pólvora, imã, carvão vegetal em pó, navalha sem cabo ,21 búzios abertos, 7 moedas correntes, 7 qualidades de pimenta, waji, casca de ostra e mexilhão, limo de praia, terra de cemitério, jornal do dia, mel de abelhas, azougue, 1 orogbo, tabatinga vermelha, 3 ou 7 folhas de exu, sabão da costa da costa. Animais de sacrifício: um cabrito claro, aves: 4 galos vermelhos, 1 pombo cinza, 1 pinto. Bebidas: rum, uísque, vinho moscatel, cachaça, aniz, conhaque, wodka e gim. Comidas: padê feito com cada bebida oferenda, padê de dendê padê de mel Akasa vermelho. Modo de fazer: Fazer   uma   massa   com   a   mistura   das   tabatingas,   limalha   de   aço,   os   dois   tipos   de   carvão,   minério   de   ferro, pimentas,   osun,   waji,   efun,   casca   de   ostra,   casca   de   mexilhão,   areia,   e   o   limo   da   praia,   lama   de   mangue,   uma parte   de   jornal   do   dia   com   boa   notícia,   aridan,   azeite   de   dendê,   mel,   terra   de   banco,   moedas   antigas   e   moedas correntes, imã, ouro, prata, terra de cemitério, o obí e o sumo das folhas. Armação   do   ajobó   (assentamento)   Colocar   num   alguidar   a   massa.   Enfeitar   com   os   búzios,   jogar   o   azougue   e   o sumo   das   folhas   sobre   a   massa.   Deixar   por   três   dias   e   três   noites   na   casa   de   exú;   na   madrugada   do   quarto   dia fazer   o   seguinte   ritual:   o   sacrifício   dos   animais   começando   pelo   cabrito,   seguido   dos   quatro   galos,   o   pombo   e   o pinto.   Em   seguida   um   pouco   de   cada   bebida,   deixando   também   que   a   pessoa,   para   quem   o   assentamento   está sendo   feito,   coloque   uma   qualidade   de   bebida   na   massa,   a   pessoa   escolhe   a   bebida.   Essas   bebidas   podem   ser borrifadas   com   atare   mastigado. A   navalha   fica   no   assentamento   e   também   o   imã,   ambos   colocados   pela   própria pessoa.   O   obi   é   aberto   e   colocado   sobre   o   assentamento.      arriar   as   bebidas,   os   padês   e   os   axés   em   frente   ao assentamento.   Por   último,   corta-se   o   orogbo,   obí,   cebola,   ou   se   preferir   usam-se   quatro   búzios   e   joga-se   para saber se tudo foi aceito por exú. Exu tiriri (Ogun, oya, oxun e Oxossi) Material   necessário:   21   búzios   abertos,   pedra   de   encruzilhada,   orogbo,   imã,   lama   de   mangue,   terra   de   cemitério, tabatinga   vermelha,   waji,   efun,   aço   em   pó,   azougue,   atare,   pimenta   malagueta,   sete   bolas   de   aço,   pólvora,   21 moedas,   pedaços   de   aço,   dois   obis   vermelhos,   areia   de   praia,   terra   de   7   encruzilhadas,   tabatinga   branca ,ferramenta   osun,   7   ide   de   aço,   lixo   de   casa   comercial,   enxofre   em   pó,   pimenta   do   reino   preta   moída,   azeite   de dendê,   alguidar,   7   folhas   de   exu,   carvão   vegetal,   carvão   mineral,   um   cabrito   escuro,   aves:   4   galos   escuros,   1 pombo   cinza,bebidas   de   sete   qualidades,   pade   com   cada   uma   das   bebidas,   pade   de   camarão   seco,   bife   cru   com dendê . modo   de   fazer:   misturar   as   tabatingas,   o   pedaço   de   aço,   a   pedra   de   encruzilhada.   Areia   de   praia,   lama   de mangue,   terra   de   encruzilhada,   terra   de   cemitério,   waji,   osun,   efun,   aço   em   pó,   lixo   de   casa   comercial   e   enxofre. Armação   do   ajobó   num   alguidar   colocar   as   bolas   de   aço   (bilha   de   carro),   acomodar   a   massa,   moldar   o   exú,   ornar com   búzios   e   com   os   idé,   jogar   o   azougue   e   deixar   secar   na   casa   de   exù   durante   três   dias   e   três   noites.   Após este   tempo   fazer   o   seguinte   ritual   sacrificar   os   animais,   azeite   de   dendê   fervendo   e   pimentas   socadas,   colocar   o imã,   por   o   sumo   das   folhas   sobre   o   assentamento.   Colocar   as   bebidas   sobre   o   assentamento,   ofertar   os   padês, as   bebidas   e   os   axés   dos   animais   em   frente   ao   assentamento.   Partir   um   obi   sobre   o   assentamento,   jogar   para ver se foi tudo aceito, o bife cru é servido por último. Exù marabo (Sango, yemanja, oxun, óya-yansã) Material   necessário:   lama   de   mangue,   pimenta   da   costa,   azeite   de   dendê,   banha   de   orí,   12   búzios   abertos,   sete folhas   de   exù,   pólvora,   gim,   tabatinga   branca,   terra   de   três   encruzilhadas,   pimenta   malagueta,   azougue,   obí ralado,   espuma   de   sabão   da   costa,   álcool,   l   sete   pregos   de   cobre   grandes,   cachaça,   mel,   tabatinga   vermelha bode   preto.   Oito   galos   pretos,   um   pombo   cinza,   sete   qualidades   de   bebidas   diferentes,   pade   das   bebidas ofertadas, pade com azeite de dendê, akasá vermelhos.    Modo   de   fazer:   misturar   as   tabatingas,   as   terras,   o   obi   ralado,   a   espuma   do   sabão   da   costa,   a   lama,   pimentas socadas, o sumo das folhas. Armação   do   assentamento:   colocar   a   massa   ornamentada   com   os   búzios,   os   pregos   e   no   final   o   azougue.   deixar secar na casa de exù por 3 dias depois realizar os sacrifícios e ofertar comidas e bebidas. Exù akesan (Oya, Oxossi, Obaluaiye)    Material   necessário:   alguidar,   imã,   obi,   sete   moedas   de   cobre,   terra   de   cemitério,   limalha   de   ferro,   cobre   e chumbo,   pó   de   prata,   carvão   vegetal,   enxofre   em   pó,   azeite   de   dendê,   folhas   de   pitanga,   folhas   de   caiçara,   raspa de   bambu,   azougue,   orogbo,   tabatinga   vermelha,   sete   qualidades   de   pimenta,   limalha   de   aço,   bronze   e   estanho, pó   de   ouro,   carvão   mineral,   pimenta   do   reino   preta   e   moída,   sete   folhas   de   exu,   21   búzios   abertos,   Um   cabrito marrom,   quatro   galos   carijós,   bebidas   de   sete   tipos,   pade   de   dendê,   pade   de   bebidas   akasás   vermelhos   e brancos sete de cada.    Como   fazer:   misturar   tabatinga   vermelha,   a   raspa   de   bambu,   o   imã,   as   moedas,   terra   de   cemitério,   as   limalhas, os   pós   de   prata,   ouro,   enxofre,   carvão   mineral   e   vegetal   em   pó,   pimenta   do   reino   preta,   os   sumos   das   folhas   de exù,   de   pitanga,   de   caiçara   e   o   obi   ralado. Armar   o   ajobo:   formar   o   vulto   com   a   massa,   formando   com   os   búzios os   olhos,   a   boca,   o   nariz   e   os   ouvidos.   Deixar   secar   por   três   dias   e   três   noites   na   casa   de   exù. Após   os   três   dias e três noites sacrificar os animais, arriar as comidas e bebidas. Colocar o azougue. Exu barakesan (yemanja, oxun ou qualquer orixá da água)    Material   necessário:   tabatinga   branca,   sete   punhados   de   água   de   poço,   de   água   de   cachoeira   e   da   água   de   rio, água   de   fonte,   de   praia   e   de   chuva.   Tabatinga   vermelha,   limalha   de   cobre   e   limalha   de   latão   amarelo,   pó   de prata,   sete   folhas   de   exu   e   mais   a   folha   de   comigo   ninguém   pode,   rabicho   de   exu,   pólvora,   pó   de   chifre   de   boi, sete   notas   de   dinheiro   antigo,   carvão   vegetal,   areia   de   sete   praias,   limalhas   de   aço,   ferro   e   chumbo,   Pó   de   ouro folha   da   fortuna,   dinheiro   em   penca,   arruda   fêmea,   enxofre   em   pó,   três   folhas   de   jornal   do   dia,   sete   búzios carvão   mineral   azeite   de   dendê   fervendo,   um   cabrito   claro,   quatro   galos   claros,   sete   qualidades   de   bebidas fortes, sete pades diferentes. Modo   de   fazer:   misturar   a   massa   e   armar   o   assentamento:   no   alguidar   arrumar   a   massa   na   forma   de   um   busto, ornamentar   com   búzios,   os   olhos,   nariz,   boca   e   ouvidos.   Secar   por   três   dias   e   três   noites   na   casa   de   exu sacrificar os animais e jogar dendê fervendo sobre o assentamento. Exu bara ifa Material   necessário:   panela   de   ferro   ou   de   barro,   areia   de   praia,   folhas   de   três   jornais,   seis   conchas   de   praia, efun,   um   ikodidé,   tabatinga   vermelha,   areia   do   fundo   do   rio,   16   moedas   antigas,   pó   de   ouro,   pedra   preciosa   ou semipreciosa,   azougue,   trevo   de   três   pontas,   azeite   de   dendê,   terra   da   casa   de   pessoa   faladeira,   terra   de avenida,   seis   ovos   de   galinha   caipira,   Osun,   waji,   tabatinga   branca,   folhas   de   exu,   terra   de   sete   encruzilhadas, 16 búzios, pó de prata, imã, atare, azeite doce, orí.    Um   galo   vermelho,   um   galo   branco,   uma   galinha   da   angola,   um   pombo   cinza.   Vinho   branco,   vinho   moscatel, meladinha,   gim,   caldo   de   cana.   pade   de   vinho,   pade   de   mel,   pade   de   leite   de   cabra      pade   de   dendê,   pade   de waji, Ekuru,akasá branco.    Modo   de   fazer:   misturar   os   ingredientes   formar   o   vulto   e   colocar   na   panela.   Ornar   com   búzios   a   boca,   nariz   e ouvidos.   Deixar   três   dias   e   três   noites   na   casa   de   exu.   Sacrificar   as   aves   (só   Ejé).   Ofertar   comidas   depois   do assentamento   pronto,   e   durante   sete   dias   são   oferecidas   comidas   feitas   para   as   pessoas   da   casa,   como:   café   da manhã,   almoço   e   jantar.   Estas   comidas   são   ofertadas   antes   das   pessoas   comerem   e   no   dia   seguinte   são despachadas em locais de movimento.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS HOME
OMO EXÚ (FILHO) Arquétipo de um filho de Exu Muito   se   escreve   e   fala   sobre   o Orixás,      suas      particularidades, suas    energias,    suas    qualidades ou   Epítetos,   há   muitos   Itãs,   Orikis e     claro     muitas     cantigas     para louva-los.   Muito   se   escreve   e   fala sobre    o    Candomblé,    Umbanda, Jurema,     Batuke,     Ifá,     cultos     a Yiamim    e    babaegum,    todos    tem muito   a   dizer   é   a   ensinar   sobre todos    esse    cultos    ou    religiões como    preferir,    famílias,    nações, dialetos     e     cânticos,     etc.     mas pergunto    e    as    pessoas?    O    que seria     de     todos     esse     cultos     e religiões sem a pessoas? Quem   faz   o   Candomblé   não   são o    Orixas,    até    porque    foram    as pessoas         que         criaram         o Candomblé    e    demais    cultos,    os Orixas    não    precisam    de    nada disso,         somos         nós         que precisamos,      somos      nos      que dependemos   desses   cultos   e   dos Orixas    não    eles;    Então    porque não      falamos      da      peça      mais importante no Candomblé "NÓS"!! Neste   post   falarei   dos   Omos      Exú (filhos),        omos        esses        tão enigmáticos      como      o      próprio Orixá. O           arquétipo           psicológico associado    aos    omos    (filhos)    de um     Orixá     é     a     síntese     das características     comportamentais que   fazem   parte   de   cada   Orixá   e que     são     atribuídas     aos     seus filhos.    Não    deve    ser    encarado como   camisa   de   força   que   limite os   seres   humanos,   mas   guias   de comportamento.    Essas    guias    de comportamento   ou   matrizes,   são os Orixás. Os      Omos      Exus      são      muitos enigmáticos,      trazem      em      sua personalidade             toda             a complexidade    da    personalidade de   Exu,   Exu   é   o   único   Orixa   que anda   por   todas   as   terras,   nações, tanto   no   Orun   como   no   Ayé,   Exu se   veste   com   todas   as   cores   de acordo   com   a   ocasião   e   local,   nas terras   Fun   Fun   veste   branco,   etc. Seus    omos    não    são    diferentes, podem     até     ter     uma     cor     de preferencia       mas       não       tem nenhuma     que     não     vistam     se necessário   e   se   sintam   bonitos   e atraentes,   precisam      estar   sempre em      atividade      para      poderem liberar      toda      a      energia      que possuem.         Possuem         muita tendência    à    espiritualidade;    são fiéis     fervorosos     que     esbanjam muita fé. Um    omo    Exu    não    tem    apenas uma   característica   especifica,   ele carrega         um         pouco         da característica   de   todos   os   Orixas; Um        Omo        Exu,        tem        a comunicação   e   a   politica   de   Exu, a   ira   de   Ogum,   a   truculência   de Oxossi,   a   impaciência   de   Ossaim, a      brutalidade      de      Omolu,      a inteligencia      de      Oxumare,      a ranzinze   de   Nanã,   a   esperteza   de Yewa,     a     doçura     de     Oxum,     a sedução   de   Logum,   o   descontrole de     Oya,     a     força     de     Oba,     a majestade   de   Xango,   a   bondade de      Yemanja,      a      astucia      de Oxanguian   e   a   justiça   de   Obatala; Tudo      devidamente      dosado      e usado     quando     necessário,     um omo   Exu   dificilmente   e   passado para    trás    e    quando    acontece    o culpada      é      desmascarado      e devidamente punido por Exu. São     bem     humorados     mas     se irritam   fácil,   gostam   de   comer   é de      tudo,      são      bonachões      e amorais,    gostam    de    privacidade mas    se    metem    na    vida    e    nos problemas   dos   outros   facilmente, não   gostam   que   mintam   pra   ele podendo    terminar    uma    amizade ou   relacionamento   de   longa   data por    conta    de    uma    mentira,    são sensuais   e   dão   mais   valor   a   um bom   sexo   do   que   a   beleza   física do    parceiro,    gostam    de    festas mais     sempre     ficam     de     canto sozinhos,    se    uma    pessoa    lhe    é solidaria   e   verdadeira   são   fieis   a ela eternamente!! Ser   omo   Exu   não   é   tarefa   fácil   ou um   privilegio   como   muitos   falam por    ai,    Exu    e    um    Orixa    pouco tolerante    a    erros    ou    fraquezas mundanas,   não   permitindo   assim que   seus   omos   sejam   mentirosos, maldosos,     trapaceiros     ou     mal caráteres,   um   omo   Exu   não   pode desejar   o   mal   a   ninguém,   enganar ou   trair   correndo   o   risco   a   duras punições. Exu    e    ciumento    e    possessivo    , não   permitindo   em   muitos   casos que   outra   divindade   ou   entidade encorpore   em   seu   Elegun   mas   o mesmo   deve   reverenciar   todos   os Orixas. Exu   sempre   recompensa   a   seus omos dedicados! Moléstias que são propensos a ter. Os  filhos  de  Exu são propensos  normalmente  são assolados por  uma forte dor de cabeça, crescem, vivem e  morrem  com  ela ,possuem  também  sérios  problemas no fígado, coluna e estomago.Devem evitar bebidas alcoólicas.  Na parte exterior do corpo  carregam um  sinal , como a  marca do  Orixá , sempre nas mãos, pés  ou olhos. ASSENTAMENTOS DE EXUS Assentamentos de exu toronibatola, tiriri, marabo, akesan, barakesan, bara ifa, alaketu, igbaragbo, eleru, yangi, omitalade, ona ori e abewin olá geri: Exu toronibatola (Sango e yemanja) Material necessário: farinha de mandioca torrada, limalha de aço, carvão mineral em pó, um pedaço de ferro, alguidar, ouro velho, 7 moedas antigas, osun, efun, areia de praia, lama de mangue, terra de banco,aridan ralado, prata, obi vermelho, azeite de dendê, tabatinga branca, pólvora, imã, carvão vegetal em pó, navalha sem cabo ,21 búzios abertos, 7 moedas correntes, 7 qualidades de pimenta, waji, casca de ostra e mexilhão, limo de praia, terra de cemitério, jornal do dia, mel de abelhas, azougue, 1 orogbo, tabatinga vermelha, 3 ou 7 folhas de exu, sabão da costa da costa. Animais de sacrifício: um cabrito claro, aves: 4 galos vermelhos, 1 pombo cinza, 1 pinto. Bebidas: rum, uísque, vinho moscatel, cachaça, aniz, conhaque, wodka e gim. Comidas: padê feito com cada bebida oferenda, padê de dendê padê de mel Akasa vermelho. Modo de fazer: Fazer   uma   massa   com   a   mistura das   tabatingas,   limalha   de   aço,   os dois   tipos   de   carvão,   minério   de ferro,   pimentas,   osun,   waji,   efun, casca      de      ostra,      casca      de mexilhão,   areia,   e   o   limo   da   praia, lama   de   mangue,   uma   parte   de jornal    do    dia    com    boa    notícia, aridan,     azeite     de     dendê,     mel, terra   de   banco,   moedas   antigas   e moedas     correntes,     imã,     ouro, prata,   terra   de   cemitério,   o   obí   e   o sumo das folhas. Armação               do               ajobó (assentamento)       Colocar       num alguidar   a   massa.   Enfeitar   com   os búzios,   jogar   o   azougue   e   o   sumo das   folhas   sobre   a   massa.   Deixar por   três   dias   e   três   noites   na   casa de   exú;   na   madrugada   do   quarto dia     fazer     o     seguinte     ritual:     o sacrifício   dos   animais   começando pelo   cabrito,   seguido   dos   quatro galos,    o    pombo    e    o    pinto.    Em seguida     um     pouco     de     cada bebida,   deixando   também   que   a pessoa,         para         quem         o assentamento    está    sendo    feito, coloque   uma   qualidade   de   bebida na    massa,    a    pessoa    escolhe    a bebida.   Essas   bebidas   podem   ser borrifadas    com    atare    mastigado. A   navalha   fica   no   assentamento   e também   o   imã,   ambos   colocados pela    própria    pessoa.    O    obi    é aberto      e      colocado      sobre      o assentamento.              arriar       as bebidas,   os   padês   e   os   axés   em frente      ao      assentamento.      Por último,    corta-se    o    orogbo,    obí, cebola,    ou    se    preferir    usam-se quatro     búzios     e     joga-se     para saber se tudo foi aceito por exú. Exu tiriri (Ogun, oya, oxun e Oxossi) Material     necessário:     21     búzios abertos,    pedra    de    encruzilhada, orogbo,    imã,    lama    de    mangue, terra      de      cemitério,      tabatinga vermelha,   waji,   efun,   aço   em   pó, azougue,          atare,          pimenta malagueta,    sete    bolas    de    aço, pólvora,   21   moedas,   pedaços   de aço,   dois   obis   vermelhos,   areia   de praia,    terra    de    7    encruzilhadas, tabatinga       branca       ,ferramenta osun,   7   ide   de   aço,   lixo   de   casa comercial,       enxofre       em       pó, pimenta    do    reino    preta    moída, azeite     de     dendê,     alguidar,     7 folhas    de    exu,    carvão    vegetal, carvão       mineral,       um       cabrito escuro,   aves:   4   galos   escuros,   1 pombo     cinza,bebidas     de     sete qualidades,   pade   com   cada   uma das    bebidas,    pade    de    camarão seco, bife cru com dendê . modo     de     fazer:     misturar     as tabatingas,    o    pedaço    de    aço,    a pedra   de   encruzilhada.   Areia   de praia,   lama   de   mangue,   terra   de encruzilhada,    terra    de    cemitério, waji,   osun,   efun,   aço   em   pó,   lixo de     casa     comercial     e     enxofre. Armação   do   ajobó   num   alguidar colocar   as   bolas   de   aço   (bilha   de carro),      acomodar      a      massa, moldar   o   exú,   ornar   com   búzios   e com    os    idé,    jogar    o    azougue    e deixar    secar    na    casa    de    exù durante    três    dias    e    três    noites. Após   este   tempo   fazer   o   seguinte ritual   sacrificar   os   animais,   azeite de    dendê    fervendo    e    pimentas socadas,    colocar    o    imã,    por    o sumo      das      folhas      sobre      o assentamento.         Colocar         as bebidas    sobre    o    assentamento, ofertar   os   padês,   as   bebidas   e   os axés    dos    animais    em    frente    ao assentamento.      Partir      um      obi sobre   o   assentamento,   jogar   para ver   se   foi   tudo   aceito,   o   bife   cru   é servido por último. Exù marabo (Sango, yemanja, oxun, óya-yansã) Material     necessário:     lama     de mangue,   pimenta   da   costa,   azeite de   dendê,   banha   de   orí,   12   búzios abertos,     sete     folhas     de     exù, pólvora,    gim,    tabatinga    branca, terra      de      três      encruzilhadas, pimenta   malagueta,   azougue,   obí ralado,     espuma     de     sabão     da costa,    álcool,    l    sete    pregos    de cobre     grandes,     cachaça,     mel, tabatinga    vermelha    bode    preto. Oito     galos     pretos,     um     pombo cinza,   sete   qualidades   de   bebidas diferentes,     pade     das     bebidas ofertadas,    pade    com    azeite    de dendê, akasá vermelhos.      Modo     de     fazer:     misturar     as tabatingas,   as   terras,   o   obi   ralado, a   espuma   do   sabão   da   costa,   a lama,   pimentas   socadas,   o   sumo das folhas. Armação        do        assentamento: colocar     a     massa     ornamentada com   os   búzios,   os   pregos   e   no final   o   azougue.   deixar   secar   na casa    de    exù    por    3    dias    depois realizar    os    sacrifícios    e    ofertar comidas e bebidas. Exù akesan (Oya, Oxossi, Obaluaiye)      Material     necessário:     alguidar, imã,   obi,   sete   moedas   de   cobre, terra     de     cemitério,     limalha     de ferro,    cobre    e    chumbo,    pó    de prata,   carvão   vegetal,   enxofre   em pó,    azeite    de    dendê,    folhas    de pitanga,   folhas   de   caiçara,   raspa de     bambu,     azougue,     orogbo, tabatinga          vermelha,          sete qualidades   de   pimenta,   limalha   de aço,    bronze    e    estanho,    pó    de ouro,   carvão   mineral,   pimenta   do reino   preta   e   moída,   sete   folhas de    exu,    21    búzios    abertos,    Um cabrito     marrom,     quatro     galos carijós,    bebidas    de    sete    tipos, pade   de   dendê,   pade   de   bebidas akasás   vermelhos   e   brancos   sete de cada.     Como    fazer:    misturar    tabatinga vermelha,   a   raspa   de   bambu,   o imã,      as      moedas,      terra      de cemitério,   as   limalhas,   os   pós   de prata,      ouro,      enxofre,      carvão mineral   e   vegetal   em   pó,   pimenta do    reino    preta,    os    sumos    das folhas    de    exù,    de    pitanga,    de caiçara   e   o   obi   ralado.   Armar   o ajobo:     formar     o     vulto     com     a massa,   formando   com   os   búzios os    olhos,    a    boca,    o    nariz    e    os ouvidos.    Deixar    secar    por    três dias   e   três   noites   na   casa   de   exù. Após    os    três    dias    e    três    noites sacrificar    os    animais,    arriar    as comidas    e    bebidas.    Colocar    o azougue. Exu barakesan (yemanja, oxun ou qualquer orixá da água)     Material    necessário:    tabatinga branca,    sete    punhados    de    água de   poço,   de   água   de   cachoeira   e da   água   de   rio,   água   de   fonte,   de praia     e     de     chuva.     Tabatinga vermelha,     limalha     de     cobre     e limalha   de   latão   amarelo,   pó   de prata,   sete   folhas   de   exu   e   mais   a folha    de    comigo    ninguém    pode, rabicho    de    exu,    pólvora,    pó    de chifre     de     boi,     sete     notas     de dinheiro    antigo,    carvão    vegetal, areia   de   sete   praias,   limalhas   de aço,   ferro   e   chumbo,   Pó   de   ouro folha     da     fortuna,     dinheiro     em penca,   arruda   fêmea,   enxofre   em pó,   três   folhas   de   jornal   do   dia, sete   búzios   carvão   mineral   azeite de    dendê    fervendo,    um    cabrito claro,    quatro    galos    claros,    sete qualidades     de     bebidas     fortes, sete pades diferentes. Modo   de   fazer:   misturar   a   massa e     armar     o     assentamento:     no alguidar     arrumar     a     massa     na forma    de    um    busto,    ornamentar com   búzios,   os   olhos,   nariz,   boca e   ouvidos.   Secar   por   três   dias   e três     noites     na     casa     de     exu sacrificar     os     animais     e     jogar dendê        fervendo        sobre        o assentamento. Exu bara ifa Material    necessário:    panela    de ferro   ou   de   barro,   areia   de   praia, folhas      de      três      jornais,      seis conchas     de     praia,     efun,     um ikodidé,   tabatinga   vermelha,   areia do     fundo     do     rio,     16     moedas antigas,      pó      de      ouro,      pedra preciosa         ou         semipreciosa, azougue,    trevo    de    três    pontas, azeite   de   dendê,   terra   da   casa   de pessoa       faladeira,       terra       de avenida,    seis    ovos    de    galinha caipira,     Osun,     waji,     tabatinga branca,    folhas    de    exu,    terra    de sete   encruzilhadas,   16   búzios,   de   prata,   imã,   atare,   azeite   doce, orí.     Um    galo    vermelho,    um    galo branco,    uma    galinha    da    angola, um    pombo    cinza.    Vinho    branco, vinho    moscatel,    meladinha,    gim, caldo    de    cana.    pade    de    vinho, pade    de    mel,    pade    de    leite    de cabra      pade   de   dendê,   pade   de waji, Ekuru,akasá branco.      Modo     de     fazer:     misturar     os ingredientes     formar     o     vulto     e colocar    na    panela.    Ornar    com búzios    a    boca,    nariz    e    ouvidos. Deixar   três   dias   e   três   noites   na casa   de   exu.   Sacrificar   as   aves (só   Ejé).   Ofertar   comidas   depois do      assentamento      pronto,      e durante   sete   dias   são   oferecidas comidas    feitas    para    as    pessoas da   casa,   como:   café   da   manhã, almoço    e    jantar.    Estas    comidas são   ofertadas   antes   das   pessoas comerem   e   no   dia   seguinte   são despachadas       em       locais       de movimento.
BRUXO REGINALDO Fale comigo no Whatzhat CLICK NO BOTÃO