Contatos 11 3492-0169 11-5513-6064        11- 98255-6755 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS VOLTAR PRÓXIMA HOME
OSANYIN Osanyin   é   a   entidade   das   folhas   sagradas(Ewe),   ervas   medicinais   e   litúrgicas,   identificado   no jogo   do   merindilogun   pelo   odu   iká   e   representado   material   e   imaterialmente   pela   cultura   Jeje- Nago,    através    do    assentamento    sagrado    denominado    igba    ossaim.    Sua    importância    é primordial.   Nenhuma   cerimônia   pode   ser   realizada   sem   sua   interferência.   O   seu   sacerdote   é   o Babá Olosayin. Ferramenta   de   Osanyin   É   o   detentor   do   axé   (força,   poder,   vitalidade),   de   que   nem   mesmo   os Orixás   podem   privar-se.   Esse   axe   encontra-se   em   folhas   e   ervas   específicas.   O   nome   dessas folhas   e   o   seu   emprego   é   a   parte   mais   secreta   do   ritual   do   culto   dos   Orixá,   Vodun   e   Inkice.   O símbolo   de   Osanyin   é   uma   haste   de   ferro   de   cuja   extremidade   superior   partem   sete   pontas   ------ -
dirigidas   para   o   alto.   A   do   centro   é   encimada   pela   imagem   de   um   pássaro.   Osanyin   é   o   companheiro   constante   de   Ifá.   É representado   por   uma   sineta   de   ferro   forjado,   terminada   por   uma   haste   pontuda   enfiada   em   uma   grande   semente. A   haste é   fincada   no   chão,   ao   lado   do   osun   (o   asen   dos   fon)   do   babalawo.   Por   sua   presença,   Osanyin   traz   a   influência   das   folhas para as operações da adivinhação. Osanyin   -   escultura   de   Carybé   em   madeira,   em   exposição   no   Museu   Afro-Brasileiro,   Salvador,   Bahia,   Brasil   Ossaniyn, Ossaim,   Ossãe,   Ossain   (como   se   escreve   habitualmente),   ou   (como   é   chamado   na   Umbanda)   Ossanha   que   é   o   Orixá   das ervas,   no   candomblé   Jeje   é   chamado   de   Agué   é   o   Vodun   da   caça   e   das   florestas   e   conhece   os   segredos   das   folhas,   no Candomblé   Bantu   é   chamado   de   Katendê,   Senhor   das   insabas   (folhas).   Seria   de   ambos   os   sexos   assim   como   Oxumarê, segundo   alguns   pesquisadores   6   meses   seria   homem   e   6   meses   seria   mulher.   Ossaniyn,   Oxumarê   e   Obaluayê   são   filhos de   Nanã   com   Oxalá.   Comanda   as   folhas   medicinais   e   litúrgicas,   chamadas   de   folha   sagrada,   que   são   utilizadas   numa mistura   especial   chamada   de   abô.   Muitas   vezes,   é   representado   com   uma   única   perna.   Cada   orixá   tem   a   sua   folha,   mas   Ossaim   detém   seus   segredos.   E   sem   as   folhas   e   seus   segredos   não   há   axé,   portanto   sem   ela   nenhuma   cerimônia   é possível.   Ferramenta:   sua   ferramenta   tem   uma   haste   central   com   um   pássaro   na   ponta,   do   meio   dessa   haste   saem   sete pontas, chamada de Opassanìyn. Cores:   Verde,   branco,   e   todas   as   variações   de   verde   dependendo   da   nação.   Fio-de-contas   verde,   branco,   verde   rajado   de branco ou branco rajado de verde. Animais: Bode e galo, entre outros.    Folhas:   arrozinho,   aroeira   comum,   agave,   aridan,   araçazeiro,   baunilhade   nicuri,   brio   de   estudante,   barba   de   S.Pedro, carobinha   docampo,   cipó   chumbo,   cenoura,   chapéu   de   napoleão,   cacaueiro,couve,   erva   vintém,   erva   andorinha,   guaco, imbaúba,   ingá,   jequiriti,   limão,   jarrinha,   jureminha,   junquinho,   jurema   preta,   jurubeba,   losna   selvagem,   lágrimas   de   nossa senhora,mandacaru,   mamona   vermelha,   nóz   de   cola,   orobô,   pepino,pindaíba,   pitangueira,   palmatória   de   exu,   repolho,   olho de boi,sapê, trombeta roxa, tiririca, tamba-tajá, maçã. Saudação: Ewê ewê asá ou Asá ô ou Ewê ô ou Eruejé, entre outras. ! Itan   de   Osanyin:   Osanyin   recebera   de   Olodumare   o   segredo   das   folhas.   Ossanyin   sabia   que   algumas   delas   traziam   a calma   ou   o   vigor.   Outras,   a   sorte,   a   glória,   as   honras   ou   ainda,   a   miséria,   as   doenças   e   os   acidentes.   Os   outros   orixás   não tinham   poder   sobre   nenhuma   planta.   Eles   dependiam   de   Ossanyin   para   manter   sua   saúde   ou   para   o   sucesso   de   suas iniciativas.   Xangô,   cujo   temperamento   é   impaciente,   guerreiro   e   impetuoso,   irritado   por   esta   desvantagem,   usou   de   um   ardil para   tentar   usurpar   Osanyin   a   propriedade   das   folhas.   Falou   dos   planos   à   sua   esposa   Iansã,   explicou-lhe   que,   em   certos dias,   Osanyin   pendurava,   num   galho   de   Iroko,   uma   cabaça   contendo   suas   folhas   mais   poderosas.   --Desencadeie   uma tempestade   bem   forte   num   desses   dias,   disse-lhe   Xangô.   Iansã   aceitou   a   missão   com   muito   gosto.   O   vento   soprou   a grandes   rajadas,   levando   o   telhado   das   casas,   arrancando   árvores,   quebrando   tudo   por   onde   passava   e,   o   fim   desejado, soltando   a   cabaça   do   galho   onde   estava   pendurada.   A   cabaça   rolou   para   longe   e   todas   as   folhas   voaram.   Os   orixás   se apoderaram   de   todas.   Cada   um   tornou-se   dono   de   algumas   delas,   mas   Osanyin   permaneceu   "senhor/senhora   do   segredo" de   suas   virtudes   e   das   palavras   que   devem   ser   pronunciadas   para   provocar   sua   ação.   E   assim,   continuou   a   reinar   sobre   as plantas   como   senhor   absoluto,   graças   ao   poder   (axé)   que   possui   sobre   elas.   Òsányìn!   Nkò   da   se,   Eléwé   me   dà   se,   Baba aròni   me   dà   se,   Wa   fún   mi.   Eléwé   wá   fun   mi,   l’àse   o.   Òsányìn   wá   fun   mi,   l’àse   o.   Mé   dà   se.   Òsányìn   mé   dà   se.   Ossain,   não faço   nada   sozinho.   Ó   senhor   das   folhas,   ó   Pai Aròni,   não   faço   nada   sozinho.   Venha   me   dar,   ó   senhor   das   folhas,   venha   me dar axé. Ossain, venha me dar axé Não faço nada sozinho. Ossain, não faço nada sozinho.  A Osanyin e realizado um dos rituais mais importantes do culto Afro-brasileiro a Sasayin.    Sasayin,   Sassaim   ou   Sasanha   é   o   nome   que   se   dá   ao   ritual   do   candomblé   para   retirar   a   energia   vital   das   folhas   e   extrair   o seu   sangue   (sumo),   "Sangue   de   origem   vegetal",   no   sentido   de   purificar   e   alimentar   os   objetos   sagrados   e   o   corpo   dos iniciados,   possibilitando   o   equilíbrio   e   a   renovação   das   energias.   O   orixá   Osanyin   dono   dos   segredos   de   todas   as   folhas   é saudado   em   todas   as   cantigas.   O   ato   de   cantar   as   folhas   sagradas   ou   rezar   as   folhas,   com   cantigas   específicas   para   cada folha,   reconhecidas   pelo   nome   da   folha   (ewe)   e   seu   conteúdo   que   é   o   atributo   da   folha,   utilizado   principalmente   na preparação   do   abô,   chamada   de   água   sagrada   na   feitura   de   santo.   Lendas:   Orunmilá   precisava   de   um   escravo   e   foi   ao mercado   comprar   um.   Entre   todos,   escolheu   Ossaim.   Levou   Ossaim   para   casa   e   o   mandou   desmatar   suas   terras,   onde deveria   preparar   o   plantio.   Ossaim   retornou   sem   ter   cumprido   as   ordens   de   Orunmilá.   Questionado   sobre   o   seu   desmando, Ossaim   explicou   que   a   maioria   das   ervas   tinha   o   poder   de   cura   e   assim   não   podia   ser   derrubada.   Orunmilá   interessou-se por   esse   conhecimento   e   nomeou   Ossaim   para   acompanhá-lo   nas   sessões   de   adivinhação.   Não   tardou   para   que   as rivalidades   surgissem,   principalmente   porque   Ossaim   não   aceitava   ser   submisso   a   Orunmilá.   Julgava-se   mais   importante que   seu   mestre.   Esse   fato   chegou   aos   ouvidos   do   rei Ajalaiê,   que   resolveu   submetê-los   a   uma   disputa,   para   verificar   quem era   o   mais   antigo   e   mais   importante.   Chamou-os   e   pediu   que   trouxessem   seus   filhos   primogênitos.   Os   dois   seriam enterrados   durante   sete   dias,   findos   os   quais   seriam   chamados.   Ques   respondesse   primeiro   a   chamado   seria   declarado vencedor,   trazendo   as   honras   para   o   pai.   O   filho   de   Orunmilá   chama-se   Sacrifício.   Orunmilá   consultou   Ifá   para   verificr   se seu   filho   se   salvaria.   Foi   orientad   a   oferecer   sacrifícios   de   comidas   e   animais.   Deveria   oferecer   um   coelho,   uma   galo   e   um bode,   além   de   um   pombo   e   dezesseis   búzios-da-costa. As   oferendas   foram   colocadas   nos   locais   determinados,   dentre   elas uma   aos   pés   de   Exu.   Com   seu   poder,   Exu   ressuscitou   o   coelho   e   o   coelho   cavou   um   buraco   e   levou   alimento   a   Sacrifício, mantendo-o   vivo.   O   filho   de   Ossaim   chamava-se   Remédio.   Ela   naum   tinha   o   que   comer,   mas   com   feitiços   poderosos consegiu   chegar   à   casa   de   Sacrifício.   Pediu-lhe   comida.   Sacrifício   negou.   Remédio   propôs-lhe   um   pacto   em   troca   de comida.   Ele   manter-se-ia   calado   quando   os   chamassem.   Sacrifício   aceitou   e   deu-lhe   de   comer.   Chegado   o   dias,   ambos foram   chamados,   mas   somente   Sacrifício   respondeu   ao   apelo,   saindo   vivo   e   vitorios   o   da   cova.   Remédio   saiu   depois   e Ossaim   questionou   o   porque   de   seu   ato.   Ele   contou   ao   pai   sobre   o   pacto   feito.   Orunmilá   ganhou   e   foi   considerado   mais importante que Ossaim, porque o Sacrifício é mais eficaz que o Remédio. Qualidades (epítetos) de Osanyin:  Agué - Usa roupas e contas verde rajado de branco. Come com Hongolo e Matamba. Mokossu - Um tipo velho, vive escondido no mato, fuma muito e bebe com abundância. Tem caminhos com Esù. Gayaku   -   É   novo,   muito   vivo,   só   vive   em   cima   das   árvores,   nunca   aparece   nos   lugares   habitados.   Come   com   Mutakalambô e aparece na roda do pade. Agbenigi   -   É   velho,   grande   feiticeiro,   dono   do   pássaro   sagrado   e   o   único   que   chega   bem   perto   das   Iya   Mi   Oxorongá.   Dono absoluto do poder das ervas. Come diretamente com Esù. Arony   -   Recebe   uma   saudação   própria,   diferente   dos   outros.   Apesar   de   ser   companheiro   de   Agbenigi,   é   o   mais   terrível, fumando seu cachimbo faz mais bruxarias que os outros. Só come bicho de duas pernas.  Birigã - Tem fundamento com Oxossi Ibô. Fica no tempo.  Atulá - Tem fundamento com Oxalá.  Aroni - mais velho – forma enrugado (sua cor verde) Serebuá - quem guarda os segredos mágicos das folhas, ele quem recebeu o encanto Modum - velho feiticeiro, quem conhece e fala com as arvores e os antigos moradores encantados das matas mágicas. Catendê - é uma qualidade de ossain na angola. Lenda:   Osanyin,   filho   de   Nanã   e   irmão   de   Oxumarê,   Ewa   e   Obaluaê,   era   o   senhor   da   folhas,   da   ciência   e   das   ervas,   o   orixá que   conhece   o   segredo   da   cura   e   o   mistério   da   vida.   Todos   o   orixás   recorriam   a   Ossaim   para   curar   qualquer   moléstia, qualquer   mal   do   corpo.   Todos   dependiam   de   Ossaim   na   luta   contra   a   doença.   Todos   iam   à   casa   de   Ossaim   oferecer   seus sacrifícios.   Em   troca   Ossaim   lhes   dava   preparados   mágicos:   banhos,   chás,   infusões,   pomadas,   abo,   beberagens.   Curava as    dores,    as    feridas,    os    sangramentos;    as    desinteiras,    os    inchaços    e    fraturas;    curava    as    pestes,    febres,    órgãos corrompidos;   limpava   a   pele   purulenta   e   o   sangue   pisado;   livrava   o   corpo   de   todos   os   males.   Um   dia   Xangô,   que   era   o deus   da   justiça,   julgou   que   todo   os   orixás   deveriam   compartilhar   o   poder   de   Ossaim,   conhecendo   o   segredo   das   ervas   e   o dom   da   cura.   Xangô   sentenciou   que   Ossaim   dividisse   suas   folhas   com   os   outros   orixás.   Mas   Ossaim   negou-se   dividir   suas folhas   com   os   outros   orixás.   Xangô   então   ordenou   que   Iansã   soltasse   o   vento   e   trouxesse   ao   seu   palácio   todas   as   folhas das   matas   de   Ossaim   par   que   fossem   distribuídas   ao   orixás.   Iansã   fez   o   que   Xangô   determinara.   Gerou   um   furacão   que derrubou   as   folhas   das   plantas   e   as   arrastou   pelo   ar   em   direção   ao   palácio   de   Xangô.   Ossaim   percebeu   o   que   estava acontecendo   e   gritou:   ”Euê   uassá!”   “As   folhas   funcionam!”   Ossaim   ordenou   que   as   folhas   voltassem   às   suas   matas   e   as folhas   obedeceram   às   ordens   de   Ossaim.   Quase   todas   as   folhas   retornaram   para   Ossaim. As   que   já   estavamem   poder   de Xangôperderam   o   axé,   perderam   o   poder   de   cura.   O   orixá-rei,   que   era   um   orixá   justo,   admitiu   a   vitória   de   Ossaim. Entendeu   que   o   poder   das   folhas   devia   ser   exclusivo   de   Ossaim   e   que   assim   devia   permanecer   através   dos   séculos. Ossaim,   contudo,   deu   uma   folha   a   cada   orixá,   deu   uma   euê   pra   cada   um   deles.   Cada   folha   com   seus   axés   e   seus   ofós, que   são   as   cantigas   de   encantamento,   sem   as   quais   a   folhas   não   funcionam.   Ossaim   distribuiu   as   folhas   aos   orixás   para que   eles   não   mais   o   invejassem.   Eles   também   podiam   realizar   proezas   com   as   ervas,   mas   os   segredos   mais   profundos   ele guardou   para   si.   Ossaim   não   conta   seus   segredos   para   ninguém,   Ossaim   nem   mesmo   fala.   Fala   por   ele   seu   criado Aroni. Os orixás ficaram gratos a Ossaim e sempre o reverenciam quando usam as folhas. Arquétipo:   É   difícil   encontrar   um   filho/filha   de   Ossaim.   Seus   filhos(as)   são   pessoas   engraçadas,   risonhas,   alegres   e obstinadas.   Quando   querem,   vão   e   fazem.   Podem   se   tornar   violentos   e   perigosos   se   estão   insatisfeitos   ou   raivosos. Sabem   conquistar   as   pessoas   e   adoram   aventuras   amorosas.   São   pacientes   quando   amam   e   fazem   de   tudo   para   a relação durar. Trabalham demais para conseguir estabilidade e independência. Oríkì Osayin - Agbénigi, òròmodìe abìdi sónsó Aquele que vive nas árvores e que tem um rabo pontudo como estaca. Esinsin abedo kínníkínni; Aquele que tem o fígado trasparente como o da mosca. Kòògo egbòrò irín Aquele que é tão forte quanto uma barra de ferro. Aképè nigbà òràn kò sunwòn Aquele que é invocado quando as coisas não estão bem. Tíotio tin, ó gbà aso òkùnrùn ta gìègìè. O esbelto que quando recebe a roupa da doença se move como se fosse cair. Elésè kan jù elésè méjì lo. O que tem uma só perna e é mais poderoso que os que têm duas. Ewé gbogbo kíki oògùn Todas as folhas têm viscosidade que se tornam remédio. Àgbénigi, èsìsì kosùn Àgbénigi, o deus que usa palha. Agogo nla se erpe agbára O grande sino de ferro que soa poderosamente. Ó gbà wón là tán, wón dúpé téniténi A quem as pessoas agradecem sem reservas depois que ele humilha as doenças. Aròni já si kòtò di oògùn máyà Àròni que pula no poço com amuletos em seu peito. Elésè kan ti ó lé elése méjì sáré O homem de uma perna que exita os de duas pernas para correr. Ossanyin Pelè-ó!!
HOME
EM CONSTRUÇÃO
Contatos 11 3492-0169 11-5513-6064        11- 98255-6755 VOLTAR PRÓXIMA HOME
OSANYIN Osanyin    é    a    entidade    das    folhas sagradas(Ewe),   ervas   medicinais   e litúrgicas,    identificado    no    jogo    do merindilogun      pelo      odu      iká      e representado             material             e imaterialmente     pela     cultura     Jeje- Nago,     através     do     assentamento sagrado    denominado    igba    ossaim. Sua      importância      é      primordial. Nenhuma     cerimônia     pode     ser     realizada     sem     sua interferência. O seu sacerdote é o Babá Olosayin. Ferramenta    de    Osanyin    É    o    detentor    do    axé    (força, poder,   vitalidade),   de   que   nem   mesmo   os   Orixás   podem privar-se.    Esse    axe    encontra-se    em    folhas    e    ervas específicas.   O   nome   dessas   folhas   e   o   seu   emprego   é   a parte   mais   secreta   do   ritual   do   culto   dos   Orixá,   Vodun   e Inkice.   O   símbolo   de   Osanyin   é   uma   haste   de   ferro   de cuja extremidade superior partem sete pontas -------
dirigidas    para    o    alto.    A    do    centro    é    encimada    pela imagem    de    um    pássaro.    Osanyin    é    o    companheiro constante   de   Ifá.   É   representado   por   uma   sineta   de   ferro forjado,   terminada   por   uma   haste   pontuda   enfiada   em uma   grande   semente. A   haste   é   fincada   no   chão,   ao   lado do    osun    (o    asen    dos    fon)    do    babalawo.    Por    sua presença,   Osanyin   traz   a   influência   das   folhas   para   as operações da adivinhação. Osanyin     -     escultura     de     Carybé     em     madeira,     em exposição    no    Museu    Afro-Brasileiro,    Salvador,    Bahia, Brasil    Ossaniyn,    Ossaim,    Ossãe,    Ossain    (como    se escreve     habitualmente),     ou     (como     é     chamado     na Umbanda)    Ossanha    que    é    o    Orixá    das    ervas,    no candomblé   Jeje   é   chamado   de   Agué   é   o   Vodun   da   caça e   das   florestas   e   conhece   os   segredos   das   folhas,   no Candomblé   Bantu   é   chamado   de   Katendê,   Senhor   das insabas   (folhas).   Seria   de   ambos   os   sexos   assim   como Oxumarê,   segundo   alguns   pesquisadores   6   meses   seria homem   e   6   meses   seria   mulher.   Ossaniyn,   Oxumarê   e Obaluayê   são   filhos   de   Nanã   com   Oxalá.   Comanda   as folhas     medicinais     e     litúrgicas,     chamadas     de     folha sagrada,    que    são    utilizadas    numa    mistura    especial chamada    de    abô.    Muitas    vezes,    é    representado    com uma   única   perna.   Cada   orixá   tem   a   sua   folha,   mas   Ossaim   detém   seus   segredos.   E   sem   as   folhas   e   seus segredos    não    há    axé,    portanto    sem    ela    nenhuma cerimônia   é   possível.   Ferramenta:   sua   ferramenta   tem uma   haste   central   com   um   pássaro   na   ponta,   do   meio dessa      haste      saem      sete      pontas,      chamada      de Opassanìyn. Cores:   Verde,   branco,   e   todas   as   variações   de   verde dependendo    da    nação.    Fio-de-contas    verde,    branco, verde    rajado    de    branco    ou    branco    rajado    de    verde. Animais: Bode e galo, entre outros.     Folhas:    arrozinho,    aroeira    comum,    agave,    aridan, araçazeiro,   baunilhade   nicuri,   brio   de   estudante,   barba de   S.Pedro,   carobinha   docampo,   cipó   chumbo,   cenoura, chapéu   de   napoleão,   cacaueiro,couve,   erva   vintém,   erva andorinha,   guaco,   imbaúba,   ingá,   jequiriti,   limão,   jarrinha, jureminha,    junquinho,    jurema    preta,    jurubeba,    losna selvagem,     lágrimas     de     nossa     senhora,mandacaru, mamona   vermelha,   nóz   de   cola,   orobô,   pepino,pindaíba, pitangueira,     palmatória     de     exu,     repolho,     olho     de boi,sapê, trombeta roxa, tiririca, tamba-tajá, maçã. Saudação:   Ewê   ewê   asá   ou   Asá   ô   ou   Ewê   ô   ou   Eruejé, entre outras. ! Itan    de    Osanyin:    Osanyin    recebera    de    Olodumare    o segredo   das   folhas.   Ossanyin   sabia   que   algumas   delas traziam   a   calma   ou   o   vigor.   Outras,   a   sorte,   a   glória,   as honras   ou   ainda,   a   miséria,   as   doenças   e   os   acidentes. Os    outros    orixás    não    tinham    poder    sobre    nenhuma planta.   Eles   dependiam   de   Ossanyin   para   manter   sua saúde   ou   para   o   sucesso   de   suas   iniciativas.   Xangô,   cujo temperamento    é    impaciente,    guerreiro    e    impetuoso, irritado   por   esta   desvantagem,   usou   de   um   ardil   para tentar   usurpar   Osanyin   a   propriedade   das   folhas.   Falou dos   planos   à   sua   esposa   Iansã,   explicou-lhe   que,   em certos    dias,    Osanyin    pendurava,    num    galho    de    Iroko, uma   cabaça   contendo   suas   folhas   mais   poderosas.   -- Desencadeie    uma    tempestade    bem    forte    num    desses dias,   disse-lhe   Xangô.   Iansã   aceitou   a   missão   com   muito gosto.    O    vento    soprou    a    grandes    rajadas,    levando    o telhado   das   casas,   arrancando   árvores,   quebrando   tudo por   onde   passava   e,   o   fim   desejado,   soltando   a   cabaça do   galho   onde   estava   pendurada.   A   cabaça   rolou   para longe     e     todas     as     folhas     voaram.     Os     orixás     se apoderaram    de    todas.    Cada    um    tornou-se    dono    de algumas         delas,         mas         Osanyin         permaneceu "senhor/senhora    do    segredo"    de    suas    virtudes    e    das palavras   que   devem   ser   pronunciadas   para   provocar   sua ação.   E   assim,   continuou   a   reinar   sobre   as   plantas   como senhor   absoluto,   graças   ao   poder   (axé)   que   possui   sobre elas.   Òsányìn!   Nkò   da   se,   Eléwé   me   dà   se,   Baba   aròni me   dà   se,   Wa   fún   mi.   Eléwé   wá   fun   mi,   l’àse   o.   Òsányìn wá   fun   mi,   l’àse   o.   Mé   dà   se.   Òsányìn   mé   dà   se.   Ossain, não   faço   nada   sozinho.   Ó   senhor   das   folhas,   ó   Pai Aròni, não   faço   nada   sozinho.   Venha   me   dar,   ó   senhor   das folhas,   venha   me   dar   axé.   Ossain,   venha   me   dar   axé Não faço nada sozinho. Ossain, não faço nada sozinho.    A   Osanyin   e   realizado   um   dos   rituais   mais   importantes do culto Afro-brasileiro a Sasayin.    Sasayin,   Sassaim   ou   Sasanha   é   o   nome   que   se   dá   ao ritual   do   candomblé   para   retirar   a   energia   vital   das   folhas e    extrair    o    seu    sangue    (sumo),    "Sangue    de    origem vegetal",   no   sentido   de   purificar   e   alimentar   os   objetos sagrados    e    o    corpo    dos    iniciados,    possibilitando    o equilíbrio   e   a   renovação   das   energias.   O   orixá   Osanyin dono   dos   segredos   de   todas   as   folhas   é   saudado   em todas   as   cantigas.   O   ato   de   cantar   as   folhas   sagradas   ou rezar    as    folhas,    com    cantigas    específicas    para    cada folha,    reconhecidas    pelo    nome    da    folha    (ewe)    e    seu conteúdo      que      é      o      atributo      da      folha,      utilizado principalmente   na   preparação   do   abô,   chamada   de   água sagrada   na   feitura   de   santo.   Lendas:   Orunmilá   precisava de    um    escravo    e    foi    ao    mercado    comprar    um.    Entre todos,   escolheu   Ossaim.   Levou   Ossaim   para   casa   e   o mandou   desmatar   suas   terras,   onde   deveria   preparar   o plantio.   Ossaim   retornou   sem   ter   cumprido   as   ordens   de Orunmilá.   Questionado   sobre   o   seu   desmando,   Ossaim explicou   que   a   maioria   das   ervas   tinha   o   poder   de   cura   e assim   não   podia   ser   derrubada.   Orunmilá   interessou-se por     esse     conhecimento     e     nomeou     Ossaim     para acompanhá-lo   nas   sessões   de   adivinhação.   Não   tardou para     que     as     rivalidades     surgissem,     principalmente porque   Ossaim   não   aceitava   ser   submisso   a   Orunmilá. Julgava-se   mais   importante   que   seu   mestre.   Esse   fato chegou     aos     ouvidos     do     rei    Ajalaiê,     que     resolveu submetê-los   a   uma   disputa,   para   verificar   quem   era   o mais   antigo   e   mais   importante.   Chamou-os   e   pediu   que trouxessem    seus    filhos    primogênitos.    Os    dois    seriam enterrados    durante    sete    dias,    findos    os    quais    seriam chamados.   Ques   respondesse   primeiro   a   chamado   seria declarado   vencedor,   trazendo   as   honras   para   o   pai.   O filho      de      Orunmilá      chama-se      Sacrifício.      Orunmilá consultou   Ifá   para   verificr   se   seu   filho   se   salvaria.   Foi orientad    a    oferecer    sacrifícios    de    comidas    e    animais. Deveria   oferecer   um   coelho,   uma   galo   e   um   bode,   além de   um   pombo   e   dezesseis   búzios-da-costa. As   oferendas foram   colocadas   nos   locais   determinados,   dentre   elas uma   aos   pés   de   Exu.   Com   seu   poder,   Exu   ressuscitou   o coelho   e   o   coelho   cavou   um   buraco   e   levou   alimento   a Sacrifício,   mantendo-o   vivo.   O   filho   de   Ossaim   chamava- se   Remédio.   Ela   naum   tinha   o   que   comer,   mas   com feitiços   poderosos   consegiu   chegar   à   casa   de   Sacrifício. Pediu-lhe   comida.   Sacrifício   negou.   Remédio   propôs-lhe um   pacto   em   troca   de   comida.   Ele   manter-se-ia   calado quando   os   chamassem.   Sacrifício   aceitou   e   deu-lhe   de comer.   Chegado   o   dias,   ambos   foram   chamados,   mas somente   Sacrifício   respondeu   ao   apelo,   saindo   vivo   e vitorios    o    da    cova.    Remédio    saiu    depois    e    Ossaim questionou   o   porque   de   seu   ato.   Ele   contou   ao   pai   sobre o   pacto   feito.   Orunmilá   ganhou   e   foi   considerado   mais importante   que   Ossaim,   porque   o   Sacrifício   é   mais   eficaz que o Remédio. Qualidades (epítetos) de Osanyin:    Agué   -   Usa   roupas   e   contas   verde   rajado   de   branco. Come com Hongolo e Matamba. Mokossu   -   Um   tipo   velho,   vive   escondido   no   mato,   fuma muito e bebe com abundância. Tem caminhos com Esù. Gayaku    -    É    novo,    muito    vivo,    só    vive    em    cima    das árvores,   nunca   aparece   nos   lugares   habitados.   Come com Mutakalambô e aparece na roda do pade. Agbenigi   -   É   velho,   grande   feiticeiro,   dono   do   pássaro sagrado    e    o    único    que    chega    bem    perto    das    Iya    Mi Oxorongá.    Dono    absoluto    do    poder    das    ervas.    Come diretamente com Esù. Arony   -   Recebe   uma   saudação   própria,   diferente   dos outros. Apesar   de   ser   companheiro   de Agbenigi,   é   o   mais terrível,   fumando   seu   cachimbo   faz   mais   bruxarias   que os outros. Só come bicho de duas pernas.     Birigã    -    Tem    fundamento    com    Oxossi    Ibô.    Fica    no tempo.  Atulá - Tem fundamento com Oxalá.  Aroni - mais velho – forma enrugado (sua cor verde) Serebuá   -   quem   guarda   os   segredos   mágicos   das   folhas, ele quem recebeu o encanto Modum   -   velho   feiticeiro,   quem   conhece   e   fala   com   as arvores   e   os   antigos   moradores   encantados   das   matas mágicas. Catendê - é uma qualidade de ossain na angola. Lenda:   Osanyin,   filho   de   Nanã   e   irmão   de   Oxumarê,   Ewa e   Obaluaê,   era   o   senhor   da   folhas,   da   ciência   e   das ervas,    o    orixá    que    conhece    o    segredo    da    cura    e    o mistério   da   vida.   Todos   o   orixás   recorriam   a   Ossaim   para curar   qualquer   moléstia,   qualquer   mal   do   corpo.   Todos dependiam   de   Ossaim   na   luta   contra   a   doença.   Todos iam    à    casa    de    Ossaim    oferecer    seus    sacrifícios.    Em troca   Ossaim   lhes   dava   preparados   mágicos:   banhos, chás,   infusões,   pomadas,   abo,   beberagens.   Curava   as dores,   as   feridas,   os   sangramentos;   as   desinteiras,   os inchaços   e   fraturas;   curava   as   pestes,   febres,   órgãos corrompidos;    limpava    a    pele    purulenta    e    o    sangue pisado;    livrava    o    corpo    de    todos    os    males.    Um    dia Xangô,   que   era   o   deus   da   justiça,   julgou   que   todo   os orixás     deveriam     compartilhar     o     poder     de     Ossaim, conhecendo    o    segredo    das    ervas    e    o    dom    da    cura. Xangô   sentenciou   que   Ossaim   dividisse   suas   folhas   com os    outros    orixás.    Mas    Ossaim    negou-se    dividir    suas folhas   com   os   outros   orixás.   Xangô   então   ordenou   que Iansã   soltasse   o   vento   e   trouxesse   ao   seu   palácio   todas as    folhas    das    matas    de    Ossaim    par    que    fossem distribuídas     ao     orixás.     Iansã     fez     o     que     Xangô determinara.   Gerou   um   furacão   que   derrubou   as   folhas das   plantas   e   as   arrastou   pelo   ar   em   direção   ao   palácio de   Xangô.   Ossaim   percebeu   o   que   estava   acontecendo e    gritou:    ”Euê    uassá!”    “As    folhas    funcionam!”    Ossaim ordenou   que   as   folhas   voltassem   às   suas   matas   e   as folhas   obedeceram   às   ordens   de   Ossaim.   Quase   todas as   folhas   retornaram   para   Ossaim. As   que   já   estavamem poder   de   Xangôperderam   o   axé,   perderam   o   poder   de cura.   O   orixá-rei,   que   era   um   orixá   justo,   admitiu   a   vitória de   Ossaim.   Entendeu   que   o   poder   das   folhas   devia   ser exclusivo    de    Ossaim    e    que    assim    devia    permanecer através   dos   séculos.   Ossaim,   contudo,   deu   uma   folha   a cada   orixá,   deu   uma   euê   pra   cada   um   deles.   Cada   folha com   seus   axés   e   seus   ofós,   que   são   as   cantigas   de encantamento,   sem   as   quais   a   folhas   não   funcionam. Ossaim   distribuiu   as   folhas   aos   orixás   para   que   eles   não mais     o     invejassem.     Eles     também     podiam     realizar proezas   com   as   ervas,   mas   os   segredos   mais   profundos ele   guardou   para   si.   Ossaim   não   conta   seus   segredos para   ninguém,   Ossaim   nem   mesmo   fala.   Fala   por   ele seu   criado   Aroni.   Os   orixás   ficaram   gratos   a   Ossaim   e sempre o reverenciam quando usam as folhas. Arquétipo:   É   difícil   encontrar   um   filho/filha   de   Ossaim. Seus     filhos(as)     são     pessoas     engraçadas,     risonhas, alegres    e    obstinadas.    Quando    querem,    vão    e    fazem. Podem     se     tornar     violentos     e     perigosos     se     estão insatisfeitos   ou   raivosos.   Sabem   conquistar   as   pessoas   e adoram    aventuras    amorosas.    São    pacientes    quando amam   e   fazem   de   tudo   para   a   relação   durar.   Trabalham demais para conseguir estabilidade e independência. Oríkì Osayin - Agbénigi, òròmodìe abìdi sónsó Aquele   que   vive   nas   árvores   e   que   tem   um   rabo   pontudo como estaca. Esinsin abedo kínníkínni; Aquele que tem o fígado trasparente como o da mosca. Kòògo egbòrò irín Aquele que é tão forte quanto uma barra de ferro. Aképè nigbà òràn kò sunwòn Aquele que é invocado quando as coisas não estão bem. Tíotio tin, ó gbà aso òkùnrùn ta gìègìè. O   esbelto   que   quando   recebe   a   roupa   da   doença   se move como se fosse cair. Elésè kan jù elésè méjì lo. O   que   tem   uma   só   perna   e   é   mais   poderoso   que   os   que têm duas. Ewé gbogbo kíki oògùn Todas as folhas têm viscosidade que se tornam remédio. Àgbénigi, èsìsì kosùn Àgbénigi, o deus que usa palha. Agogo nla se erpe agbára O grande sino de ferro que soa poderosamente. Ó gbà wón là tán, wón dúpé téniténi A   quem   as   pessoas   agradecem   sem   reservas   depois que ele humilha as doenças. Aròni já si kòtò di oògùn máyà Àròni que pula no poço com amuletos em seu peito. Elésè kan ti ó lé elése méjì sáré O   homem   de   uma   perna   que   exita   os   de   duas   pernas para correr. Ossanyin Pelè-ó!!