Contatos 11 3492-0169 11-5513-6064        11- 98255-6755 VOLTAR PRÓXIMA HOME
Ìyàmì Òsòróngà PODER FEMININO NO CONTRASTE DE AMOR E MEDO Sem sombra de dúvida, a mulher e seu Poder é um dos Mitos mais profundos da história humana. Principalmente, por serem possuidoras de uma força misteriosa, até nos dias de hoje são exageradamente cercadas de medos, o que provocou no ocidente muitos equívocos referente a forma de cultuar ÌYÀMÌ ÒSÒRÓNGÀ. Irrevogavelmente o Poder da mulher em todas as culturas do planeta
sempre foi reverenciado e consequentemente muito temido. Se olhássemos para trás alcançaríamos as analises bem especificas do desempenho da mulher e os cultos originados através de seus poderes...Isso principalmente nas Culturas Africanas, e se pudéssemos ainda voltar para ouvir dentro de nós a VOZ do Poder da Fêmea Universal, escutaríamos possivelmente algo bem próximo a isto: Meu culto data desde a Idade da Pedra. Na forma centralizada de um grande culto à fertilidade. No inicio da existência quando os seres humanos davam seus primeiros passos para evolução sobre as planícies intocadas do planeta... Eu ÌYÀMÌ, estava lá também. O tempo passou... passou... passou, e os homens desceram das planícies e foram construir suas cidades. E eu abstratamente fui com eles. Eles me cultuaram na Babilônia onde fui adorada e chamada de ISTHAR. Já no terceiro milênio antes de Cristo, os homens me invocavam de tal maneira com sabedoria, meu Poder era apaziguado... e minha força então podia ser detida, como poder feminino gerei muitos filhos (seres humanos) mais de cem ao dia. No Egito fui amada com o nome de NEITH apreciada como a mais velha e a mais sábia das Divindades, sempre à frente das artes úteis. Contemplada no céu noturno que se arqueava sobre a Terra formando com minhas mãos e pés as portas da Vida e da Morte. Por isso fui também cultuada principalmente em seus cultos fúnebres como Guerreira Protetora de seus mortos, Eu, era associada a vida e a morte, como a principal representante de DEUS, para os Egípcios, Eu era uma totalidade do Supremo. Posteriormente fui relacionada a ÍSIS, por ser Ela, uma deusa da beleza e fertilidade. Entre os Hebreus fui chamada de ASTARTE. Na Frígia apareci como CIBELE (a guerreira caçadora possuidora dos 9 fogos), indicando a fertilidade. Na Grécia, recebi o nome de REA, GEA e DEMETER, por ser sempre densa, profunda, misteriosa e escura (TERRA). Senhora do mundo inferior no sentido vertical das profundezas da terra, por isso fui relacionada também à Morte. Meu ventre terreno e magnético que guarda os mortos, numa eterna restituição, Meu ventre que é também o centro da fertilidade de onde a vida emana. Por isso sou como labirinto que significa entrar no ventre para encontrar a morte, e dele tal qual o grão de trigo gloriosamente brota. Na Grécia, sou chamada de LAMIA, amada e alimentada por homens e seus filhos homens. Como Deusa celta fui chamada de ANNIS e meu culto alcançou a Europa. Porém, a forma que mais fui conhecida e meu culto se desenvolveu, foi como Mãe-Negra (Densa Terra). Fui cultuada na cultura Cretense-Egéia, onde Eu era originariamente venerada em grutas e cujos sacerdotes eram mulheres. Eu era e sou a Lady of the Beasts (Senhora Pássaro) mulher de instinto animal venerada nas montanhas. Como em várias culturas fui comparada como a Mãe Animal de seios sempre descoberto que amamenta seus filhotes, como a cabra, vaca, etc. como indicam as vestes de peles e as roupas das sacerdotisas que sempre apareciam diante de meu altar com seus seios descobertos. Em algumas culturas, Eu tinha nas costas linhas verticais que lembravam penas da cauda dos pássaros. Em outras culturas, uma pequena estatueta na qual Eu era representada com uma criança em meu colo, às vezes com cabeça de cobra. Na Suméria fui cultuada como INANNA, popularíssima força de dupla personalidade: Eu era Tida de manhã como uma valorosa mulher "Senhora Guerreira" a deusa de muitos heróis, e de noite Eu era a deusa da fertilidade, dos prazeres e do amor, fertilizando as sementes na terra como também o próprio homem. Por isso, fui chamada de Divindade Decaída, isso, por meus vários aspectos e características, ou seja, a própria posição vertical da Terra, metade inferior da cabaça, a posição da mulher quando recebe seu homem para ser fecundada numa posição da vida, como também a posição da morte, sempre de barriga ou ventre para cima. Chamada também de divindade decaída, por Eu ser força (energia) contida mundialmente em todas as mulheres, por isso, sou a Força que não é subordinada a um só homem, mas a vários... Fato que minhas sacerdotisas respeitosamente representam de forma figurativa as "sagradas prostitutas", por não pertencerem a um e sim a todos os homens (Òrìsà’s Masculinos) sem distinção. Assim eu possuo múltiplos ventres, pois sou Eu o ventre principal (Mãe Terra), na qual todas as minhas sacerdotisas sobrenaturais se transformam e ganham distinções. Esta era a necessidade que a humanidade tinha de conciliar sexualidade e religião, como me cultuavam nos primórdios, me integrando ao poder dos opostos. Me regressando ao primeiro plano da consciência coletiva para lhes assegurar a queda da rigidez patriarcal. Em Roma, sou apaziguada pelo terrível festival de Lemúria, com suas cerimônias de deificação à seus mortos... minhas equivalentes romanas são TELLUS, CERES e MAIA. O medo dos homens ainda é imenso, eles acham que sou culpada de suas fraquezas e até por suas incapacidades. Assim, eles abençoavam e ainda abençoam as espadas, com as quais matam uns aos outros, e eu, por minha empatia as sinto atravessarem em minha garganta. Figurativamente eles me submergem nas águas, me cremam e espalham minhas cinzas ao vento. Eles extraem meu coração e cozinham com vinagre. Selam em minha sepultura quente com pétalas de rosas, arroz e ferro,... tentando me destruir, e Eu, sempre acabo voltando. Ao redor do mundo eu sempre volto. Nas planícies inglesas, onde os primeiros Anglo-saxãos escreveram poesia sobre mim. Eles me amaram e ainda me amam a seu modo particular... e Eu também os Amo do meu modo ! Sou sempre amada e temida. Os Japoneses me chamam de HANNYA, temendo minha boca e meu andar. Seus homens, jovens macios se escondem e tremem diante de minha presença, mas eu sinto seu sangue pulsar quando os revelo meus lábios. Entretanto, os mexicanos me chamam de LA-LORONA (A Chorona) por Eu ser o jorro menstrual de minhas filhas, possibilitando nascer em todo mundo milhões de seres ao mesmo tempo, abundantemente como o choro das águas nas cachoeiras. Na Índia fui chamada de RAKSHASI, tão bela e terrível, cultuada, Amada e temida pelos homens aqui como em qualquer lugar. Eu existo muito antes das tribos, e o medo dos homens de pronunciarem o Meu Nome já é passado, como um grito herdado de pai para filho século a século. Eu, sempre aparentemente tenho uma função para com eles, suas estranhas sociedades são constituídas e firmadas sob uma ameaça imaginaria, o que me faz, ser cuidadosamente colocada além das luzes de suas tochas. Evolutivamente, enquanto suas tochas se transformam em lampiões, e seus lampiões se transformam em luz néon, sua pequena casa de medo honrado (consciência) permanece intocável. Hoje, eles até acham que me conhecem profundamente, mas apesar de Eu possuir muitos nomes, sou Única, e eles nem conseguem considerar tal fato. Por tantos outros Povos eu ÌYÀMÌ, singularmente sou chamada de tantos nomes diferentes, Ex.: ÒSÒRÓNGÀ - ANANANGEL - CIVATATEO, SWAWMX – IYEMONJA – IYEMONJA-ODUA – TALAMAUR – UPYR – ÒDU – EGAEPONA – DIANNA – NÃNÃ – IYAORI –NANBUKU - CIBELLE – IYANILÈ – ONILÉ – IYALAIYE – AZERI – IYABUKU – NANKUABA – IYANLÀ – IYELALA – IYAMASE – IYAMI-AJÉ – ELEYE – ALAYÉ – IYAALÉ – IYEMOWO – MAWÙ – ÒDUWA e centenas de outros nomes já citados anteriormente... Mas todos para mim significam quase que a mesma coisa. Os nomes não dizem nada do que penso ou do que sinto. Sou quase sempre, uma coisa a ser deturpada, caçada e metaforicamente morta. Coisa que os seres humanos fazem quando suas mentes vazias requerem algo negro (sujo) para suas fantasias, principalmente sexuais. Assim me desonram, fazendo comigo o mesmo que fazem com minhas físicas Filhas, através delas me transformando em objeto de seus prazeres e maus-tratos. Ainda sim sou Divindade decaída, que além de tudo, sou Aquela que é base da humanidade sustentando seus pés, amparando suas almas e corpos em minha residência, propiciando estrutura de vida, aquela que provê abundância e riquezas, sou sim, á MÃE UNIVERSAL, chamada pelos Yorubà’s, ODÙ para uns, e ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ para outros “. Ìyàmì Òsòróngà “A Mãe Ancestral Universal”. Na liturgia tradicional Yoruba a que deu origem a Afro-brasileira, a Mãe Universal é denominada como a própria Terra- Negra, consequentemente possuindo vários nomes referentes a seus vários aspectos, não só dentro do âmbito natural como também dentro de vários âmbitos religiosos Yorubà. Um de seus títulos mais respeitado é ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ, nome que é cultuada na "Sociedade Òsòróngà". Já na sociedade Òrìsà onde é cultuada primordialmente junto com ÒÒRÌSÀNLÀ-ÒBÁTÁLÀ, principalmente por ser o âmbito que ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ entra ritualmente no contexto feminino na interação com o oposto através de tudo que é Branco, se relacionando intimamente no culto da cabaça de Efun, atuando como um significante complemento na formação do Par universal e sobrenatural, ou seja, a união dos opostos refletida numa visão da união de ÒÒRÌSÀNLÀ como o esposo mítico da grande Mãe Òrìsà ÌYÀMÌ-NLÀ, renomeada necessariamente com o nome de ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ onde é primordialmente proprietária da cor vermelha, cor símbolo da vida, fonte de energia, poder sobrenatural, vivacidade, crescimento, dinamismo, movimento, possibilidade, sensibilidade, fertilidade. Somente após a união ritual do branco com o vermelho, os quais unidos ritualmente são aspecto rituais capazes de dar existência à algo, tanto espiritual quanto físico, ou seja, a única forma de se fazer nascer ritualmente a força de um determinado Òrìsà no culto e principalmente numa cabeça de Yawo, como também expressam a forma de união dos gêneros (macho e fêmea) presidindo o nascimento de seres físicos no planeta. No culto chamado Awo-Funfun, ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ é conhecida como a Mãe vermelha, onde necessariamente é mantida com esse mesmo nome, estruturalmente cultuada como esposa mítica de ÒÒRÌSÀNLÀ-ÒBÁTÁLÀ, onde entre muitos títulos classificados funfun’s (primordiais) é também chamada de IYEMOWO (mãe que possibilita dinheiro à suas filhas), ou seja, os búzios, elemento este símbolo da riqueza e ancestralidade de todas as Iyagbas, pertencendo primordialmente a Bàbáluàiyé o Òrìsà que possibilita riquezas matérias. Este fato é comprovado na iniciação de um Yawo seja à ÌYÀMÌ ou IYEMONJA, quando irrevogavelmente tanto em pequenos ou grandes rituais, seus Elegun’s saem à público com suas roupas Vermelha ou Branca completamente cobertas de Aje ( Búzios), num pedido único de riqueza seguidamente expressando a antigüidade desse Supremo Òrìsà feminino, seja qual for seu aspecto. Dizer que ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ não é um Òrìsà, ou dizer que Ela simplesmente não tem iniciação num culto próprio, é indiscutivelmente incorrer numa enorme falta de conhecimento referente a ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ. O que é preciso distinguir sobre o nome ÒSÒRÓNGÀ, que é nada mais nada menos, que uma Sociedade executora de rituais aos ancestrais, onde ÌYÀMÌ encabeça como a matriarca das IYÁ-MI (minhas mães), ou seja, tanto Òrìsà’s Obirin (fêmeas) quanto os espíritos das Mães remotas e recentemente desencarnadas (Egungun feminino), cultuadas num complexo de ascensão a feminilidade, onde o homem principalmente tem seu precioso desempenho, administrando as foças femininas, num outro tipo de interação dos opostos, agora força sobrenatural feminina somada a força física masculina, ato precioso para ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ, que abençoa os homens com fecundidade através de Òòrìsà’nlà. Desta maneira está comprovado que homens capacitados pode sim, administrar pequenos e grandes rituais à ÌYÀMÌ- ÒSÒRÓNGÀ, até porque hoje, o fato de incorrer os homens à não cultua-la, foi devido uma pequena deturpação que aconteceu na Bahia/Salvador, quando um séquito de mulheres praticavam rituais às GÈLÈDÈ’s abstendo os homens a participarem de tais ritos, "era tanta força que elas tinham que o culto acabou se extinguindo completamente", fato que deu origem a uma irmandade de mulheres de crença Católica... Fatos que para os Yorubanos não tem coesão alguma referente ao culto de GELEDE, o que na verdade, é outro departamento em que ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ está inserida de forma complexa distinta comparado ao seu culto próprio. Note bem, como faz uma grande diferença de acentuações do nome ÌYÀMÌ (poderosa e respeitável Mãe), o que torna totalmente diferente do nome IYÁMI (minha mãe), tanto na escrita quanto na caraterística verbal desempenhada no título. Por isso, tanto na sociedade ÒSÒRÓNGÀ quanto na sociedade Òrìsà, ÌYÀMÌ mãe universal, é, e deve sempre ser cultuada como o núcleo feminino, como também na interação do seu oposto, que é o próprio ÒÒRÌSÀNLÀ, o Pai Universal. Na verdade, ÌYÀMÌ é uma poderosa força singular que atua naturalmente como uma matriarca, num tipo de canalizadora do poder sobrenatural ou físico feminino, particularidade especial que cada uma Elas desempenham um tipo de função diferenciada, mas primeiramente como verdadeiras fontes geradoras de vidas, onde todas estão voltadas para a Grande Mãe que é o Òrìsà ÌYÀMÌ, atuando como base estrutural da vida, que em natural oposição preside a morte. Fato que comprova sua estreita relação com os Egunguns. Por isso, explicitamente de forma figurativa é afamada também como a Dona dos Mares, ou seja, o próprio útero mítico planetário, possuindo suas Águas Verdes ou Azuis, cores estas oriundas do Negro, o que comprova sua inteira relação com a morte e consequentemente com Egungun, fato que recebe o nome de ÌYÉMÒNJÁ-ÒDUÀ, possuindo poderosamente uma característica anfíbia associada ao Mar e a Terra. Por isso ÌYÀMÌ, seja sob o titulo de ÒSÒRÓNGÀ ou IYÉMÒNJÁ, é uma única Grande Mãe, que irrevogavelmente está naturalmente e ritualmente relacionada a uma condição anfíbia, possivelmente cultuada Tanto na Água quanto na Terra com nomes distintos, o que faz da grande Mãe Poderosa em seus vários aspectos rituais, quando acontece suas transmutações no âmbito natural e no âmbito religioso. Comprovamos isso no culto de Egungun, onde ÌYÀMÌ é a primordial proprietária do Mel (elemento natural), cujo alimento é muito utilizado no culto à todo os Egungun (ancestral), principalmente SÀNGÓ. Já dá para perceber, o verdadeiro motivo que nas rodas de SANGO se louva tanto IYÉMÒNJÁ-ÒDUA, não havendo veracidade no fato de SANGO ser uma prole direta de IYÉMÒNJÁ e sim porque IYÉMÒNJÁ é a Mãe mítica de todos os seres vivos, e principalmente pela condição de SANGO ser um memorável e grande Egungun desencarnado, o qual é cultuado aqui no Brasil equivocadamente como um Òrìsà, onde acabou sendo confundido com os próprio Òrìsàs JAKUTA e AGANJU, nos quais SANGO foi iniciado individualmente quando vivo. Este é o verdadeiro fato que ÌYÀMÌ ÒSÒRÓNGÀ necessariamente, com o nome de IYÉMÒNJÁ, é louvada nas Rodas de SANGO, ou seja, é também inserida nos rituais do grande Egungun-Sango, representante primordial do séquito ancestral Yorubà, fato ignorado aqui no Brasil pela maioria dos que exercem o titulo de Babalorixa e Iyalorixa. Pois até os Uruguaios e Paraguaios corrigiram este assunto, e já estão bem afrente comparado ao Brasil no tocante a SANGO. Voltando ao contexto feminino, ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ é uma Poderosa força voltada ao principio feminino, principalmente na função do Útero, Seios e Regra Menstrual, uma Mãe dotada de liderança, justeza, parcialidade e irritabilidade efêmera, possuidora de Astúcia e Sabedoria. Na sociedade das GÉLÈDÈ (mascaras), Ela é também chamada pelo nome ÌYÀMÌ-AKO, titulo que faz referencia ao Pássaro "Wako-wako" representante de sua principal expressão Animal Alado e Caçador. No culto GÈLÈDÈ, acontece a saída seqüencial das mascaras, onde a mascara AKO encabeça o titulo de IYALODE (primeira dama da sociedade). ÌYÀMÌ-ÒSÒRÓNGÀ é ainda chamada ÌYÀMÌ-AKOKO (Poderosa e respeitável Mãe ancestral Suprema), pois este titulo entre alguns outros é somente uma referencia a Antigüidade da Terra (O planeta)
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS