Contatos 11 3492-0169 11-5513-6064        11- 98255-6755 HOME VOLTAR PRÓXIMA TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
YIÁ OGUNTÉ YEMONJA OGUNTÉ Yemanjá   Ogunté   é   cultuada   na   África,   na   região   de   Abeokuta,   e   Oyó,   e   seu   nome   é devido   ao   rio   Ogun,   que   percorre   região,   no   qual   ela   é   a   orixá   patrona,   sendo   assim recebeu   dois   nomes:   Yeyê   Omo   ejá   òdò   Ogun   té,   Mãe   dos   filhos   peixes   do   rio   Ogun,   ou então    Yemanjá    Ogunté    Ogunmasomi.    Também    chamada    na    santeria    cubana    de “Yemanjá   Okuté   ou   Okuti”   e,   entre   os   ararás   é   conhecida   como   Akadume.   Seu   nome não   deve   ser   pronunciado   por   quem   tenha   ela   assentada,   sem   antes   tocar   a   terra   com os   dedos   e   leva-los   aos   lábios.   E   uma   yagbá   do   rio   Ogum,   que   corre   por   Oyó   e   Abeokutá, vem   do   território   de   Nupé,   perto   de   Bida;   também   se   diz   que   vem   de   Tapa,   e   associada com   Abeokuta;   Ibadán   e   de   Shaki.   E   outros   ainda   dizem   ser   da   terra   de   Mina   (versão   de Cuba). Ogunté   quer   dizer   aquela   que   contém   Ogum   é   aquela   que   luta   ao   lado   dele.   É   a   quarta Yemanjá,   quer   dizer   aquela   que   contém   Ogum.   Esposa   de   Ogum   Alagbedé,   mãe   de Ogum   Akorô   Onigbé,   após   a   retirada   de   Ogum   Alagbedé   para   a   cidade   de   Ifé   Irê   tornou- se   esposa   de   Oxaguiã,   mãe   de   Ogunjá   e   Oxóssi   Inle.   Tem   estreitas   ligações   com   Babá Egún,   daí   vem   à   questão   do   seu   animal   favorito,   o   carneiro.   É   a   guerreira   do   castelo   de   Olokun   (que   é   a   grande   ancestral   mãe   de todas   as   Yemanjá).   Foi   mulher   de   Obalúayé,   de   Aganjú,   de   Orunmilá   e   de   Ogum.   É   mais   cultuada   como   esposa   de   Ogum Alagbedè, (deus dos ferreiros) mãe de Akoro. A guerreira É   considerada   a   quarta   guerreira   e   yagbá   mais   “quente”.   É   a   única   das   Yemanjá   que   carrega   uma   espada.   Porta   a   espada   da   morte, o   alfanje,   por   isso   também   tem   o   poder   de   ceifar   a   vida.   Apresenta-se   jovem   e   muito   guerreira   ,   ardilosa   e   ambiciosa.   É   uma guerreira   terrível   que   carrega,   presos   à   cintura,   um   facão   e   outras   armas   de   ferro   confeccionadas   por   Ogum   Alagbedé,   seu marido.   Dizem   que   é   rancorosa,   severa   e   violenta.   É   indomável,   mas   justiceira.   É   de   caráter   vingativo,   muito   rígida   e   não   perdoa. Vive   com   Ogum   em   campanhas   de   guerra   e   seu   filho   Ogunjá.   Em   muitos   axés,   ela   também   luta   ao   lado   de   Oxaguiã   e   teve   um     papel   importantíssimo   na   fundação   de   Ejigbò.   Senhora   das   águas   que   ninguém   segura,   as   águas   violentas,   que   saem   arrastando tudo,   Guerreira   como   Yansã,   Dona   do   canto   mais   alto   e   profundo,   diz   à   lenda   que   Ogunté   chamava   Ogum   Alagbedé,   com   um canto   agudo,   que   podia   ser   ouvido   de   qualquer   parte.   Rege   os   caranguejos,   e   os   animais   predadores   dos   oceanos.   Representa   a força e a luta pela sobrevivência marinhas. Gosta de dançar com uma serpente (jibóia) enroscada nos braços. Se   apaixona   por   Odé   Erinlè,   o   enfeitiça,   e   o   leva   para   sua   casa,   ensina   a   ele   a   arte   da   cura   e   da   magia,   após   algum   tempo   Erinlè decide   ir   embora   e   ela   corta   sua   língua   para   que   ele   não   conte   os   segredos   que   ela   o   ensinou.   Em   muitos   axés,   ela   também   luta ao lado de Oxaguiã e teve um  papel importantíssimo na fundação de Ejigbò. ASPECTOS GERAIS É   dona   das   águas   e   representa   o   mar,   fonte   fundamental   da   vida.   “A   Porteira   de   Olokum”   vive   perto   das   praias,   no   encontro   das águas   com   as   pedras   sendo   seu   habitat   as   pedras   ou   arrecifes   dos   mares   e   rios,   próximos   de   praia.   Por   isso   se   diz   que   “o   santo nasce   do   mar”.   A   mesma   se   acha   no   mar,   no   rio,   no   lago,   e   no   mato.   Só   sai   á   noite,   sendo   considerada   a   Yemanjá   da   Noite, Senhora das Sete Estrelas. Esta   Yemanjá   trabalha   muito”.   E   uma   amazona   terrível.   O   rato   pertence   a   ela.      E   com   eles   envia   mensagens   a   seus   filhos   e   pode transformar-se   em   rato   pra   os   visitar,   ela   teme   o   cachorro.   Vive   dentro   da   mata   virgem.   É   feiticeira,   expert   em   preparar   afoxé. (pós-mágicos, que se preparam com seivas de animais, pós-mágicos para o bem e para o mal). Animais:   Fala-se   também,   que   Ogunté   gosta   que   seus   animais   sejam   castrados   na   hora   do   sacrifício.   Come   carneiro   e   todos   os bichos   machos,   castrados   na   hora   do   sacrifício.   Gosta   de   comer   galo   na   companhia   de   Ogum.   Não   gosta   do   pato   e   sim   do carneiro.   Pomba,   Galinha   de   Angola,   Tartaruga,   Galinha.   Yemanjá   Ogunté   não   come   pato.   Gosta   que   seus   adimús   sejam   regados com muito mel. Come padê com Ogum. Quizila:   Sua   maior   quizila   é   a   pata.   Fundamento:   Come   com   seu   filho   Ogum   Akorô   nos   campos   e   caminhos.   Geralmente   por   ser   do monte   se   assenta   em   pedra   de   ametista   e   não   em   pedra   do   mar.   Em   seu   Igbá   é   colocado   uma   faca   virgem,   pó   de   ferro   e   folhas   de louro. Veste   o   azul,   cristal,   verde   água,   branco,   traz   um   abebê,   mas   esconde-o   nas   costas   quando   puxa   a   espada   de   guerra,   usa   capacete, peitaça,   adê,   escudo,   adornos   com   seus   tons   de   azul   noite,   verde   e   prateado,   traz   em   seu   adê   as   sete   estrelas   da   noite.   Suas roupas   carregam,   azul   marinho,   rosa   e   azul   turquesa   e   às   vezes   verde   escuro.   Em   alguns   períodos,   deve   vestir   branco,   pois   como dizem   os   antigos,   isso   a   acalma.   Nas   mãos   carrega   a   ofangi   (espada)   e   a   abebé,   podemos   também   enfeitá-la   com   uma   penca   que contenha   seus   símbolos,   o   peixe,   a   estrela,   a   espada,   a   meia   lua,   assim   como   os   brajás   de   búzios   e   assim   como   as   sete   armas   de Ogum Sincretismo:   Está   sincretizada   com   Nossa   Senhora   das   Neves.   Pedras:   São   seus   os   corais   e   madrepérolas;   ametista.   Flores:   Flor   da água,   violeta,   rosas   brancas.   Perfume:   Verbena.   Saudação:   Seus   filhos   apóiam   o   corpo   no   chão   do   meio   lado   (adobalé),   sobre   o braço do lado esquerdo e direito, e saúdam-na assim: Omí o Yemanjá!!!, Omí Lateô!!!, Omí Yaloddê!!! Arquétipo   dos   filhos   de   Yemanjá   Ogunté   Lado   positivo:   de   todas   as   Iemanjás   são   as   mais   trabalhadeiras.   Inteiramente   dedicadas, são   pessoas   extremamente   competentes,   capazes   e   corretas,   pois   sua   organização   e   mania   de   limpeza   saltam   aos   olhos.   São, como   todas   as   qualidades   de   Iemanjá,   extremamente   ligadas   à   família   e   cuida   dela   sempre   como   a   cabeça.   Amigas,   apesar   de   não muito   constantes.   Como   amantes   são   esporádicas.   Gostam   mais   do   trabalho   que   do   sexo.   Dentro   do   culto   sempre   se   destacam, pois   tem   uma   grande   capacidade   de   liderança   e   conhecimento.   São   pessoas   que   procuram   o   saber,   procuram   aprender,   pois   são interessadas   e   atenciosas.   Grandes   anfitriãs,   ouvintes   e   conselheiras.   Sabem   exatamente   aquilo   que   querem   da   vida,   por   isso estão sempre trilhando o caminho que melhor lhe convêm. Lado   negativo:   são   do   todo   de   indivíduo   que   tem   um   toque   de   falsidade   em   sua   personalidade.   Dramáticos,   se   irritam   facilmente. Suas   amizades   duram   pouco,   pois   se   ligam   às   pessoas   por   conveniência.   Não   são   amigos   fiéis,   pois   só   dão   valor   àqueles   que podem   lhe   oferecer   algo   de   concreto.   Na   verdade,   parecem   crianças   que   quando   ganham   um   brinquedo   novo,   esquecem   o   velho com   facilidade.   Gostam   também   de   jogar   as   pessoas   umas   contra   as   outras,   e   quando   odeiam,   querem   destruir   rapidamente.   São de   opinião   que   guardar   rancor   é   uma   bobagem,   por   isso   destrói   seus   inimigos,   a   fim   de   não   acumular   sentimentos   negativos.   São pessoas   sui   generis.   Precauções:   tomar   cuidado   com   o   mar,   acidentes   domésticos,   acidentes   de   trânsito,   doenças   de   barriga   e   dos seios,    caso    seja    mulher.    Metal:    Prata.    Pedra    preciosa:    pérola    e    brilhante.    Profissão:    Serviço    Social,    Pedagogia,    Advocacia, Medicina. Com   quem   Yiá   Ogunté   caminha?   Temos   que   deixar   claro,   que   uma   qualidade   de   Orixá,   muitas   vezes   tem   caminhos   diferentes, conforme   a   ancestralidade   do   filho,   assim   uma   pessoa   de   Ogunté,   pode   ter   como   ojúory,   Ogun,   Odé   ou   até   mesmo   Xangô,   pois não   devemos   se   esquecer   de   onde   vem   o   culto   desse   Orixá   (região   de   Oyó).   Essa   é   uma   questão   que   intriga   muitos   dos   filhos   de Yáogun,   pois   erroneamente   divulgam   que   ela   só   vem   com   Ogun.   Outro   ponto   que   vale   discutir,   é   sua   ligação   com   o   Odú   Yorossún, isso   por   vários   motivos,   além   de   reger   quase   todas   a   qualidades   de   Yemanjá,   Yorossún,   representado   pelo   n.º   4,   também   faz analogia   ao   fato   de   Ogunté   ser   a   quarta   filha   de   Olokún,   de   ser   acompanhada   por   4   Orixás   (Ogun   Alagbedé,   Ogun   Akorô,   Odé Erinlè   e   Oxaguiã).   Em   alguns   casos   ela   se   apresenta   na   caída   3   de   Etaogundá,   justamente   por   adquirir   as   características   inclusive espirituais,   como   caminhos   de   Ogum.   Mas   na   maioria   das   vezes   ela   responde   no   Odú   9   Osá,   por   este   ser   água   sobre   fogo,   e   ter ligações   com   Yia-mi-Oshorongá,   Egun-gun   e   todas   as   iagbás   por   ancestralidade.   Raras   vezes   Ogunté   responde   com   o   Odú   7   Odí, pois   esse   mesmo   é   um   odú   feminino,   ar   sobre   água,   trazendo   em   seu   bojo   em   Osogbô,   a   negatividade      e   carregos   de   Exu   e   Egum. E também por este odu carregar Obaluaye, Odé, Ogum, Oxaguiã e Exú todos ligados a Yemonjá. Igbá   Yiá   Ogunté:   Reponde   geralmente   em   4   (Yorosum),      9   (Osá)   ou   16   (Aláfia)   dependendo   do   Odú   do   filho.   (Geralmente   9)   4 pratos   rasos   (louça,   porcelana   ou   cristal)   1   sopeira   (louça,   porcelana   ou   cristal)   1   terrina   redonda   1   bacia   grande   ágata   4   búzios   4 moedas   prata   4   idés   prata   4   conchas   Shell   ou   abalone   4   cristais;   (água-marinha,   quartzo   transparente,   amazonita   ou   jadeíta)   Uma concha   grande   Um   coral   cérebro   1   estrela   do   mar   1   faca   virgem   Okutá   (ametista)   ou   pedra   do   mar   1   penca   Yemanjá   1   penca Ogum 4 Pérolas de água doce e salgada Traz   em   seu   ibá   seus   instrumentos   além   de   um   barco   de   madeira   de   cedro   tradicional   pintado   de   azul   e   branco,   um   pote   de chumbo,   uma   bigorna,   um   cata-vento   e   uma   corrente   com   21   ferramentas   Ogun.   Essa   corrente   é   amarrada   ao   redor   da   sua sopeira.   Yemanjá   Ogunté   é   a   água   fria,   razão   pela   qual   seus   filhos   são   mais   felizes   nos   meses   de   inverno.   Para   pedir   um   favor   a   ela gelo   deve   ser   incluído   em   algumas   cerimônias.   Quase   nunca   come   um   pato,   mas   quando   feito   isso   ocorre   em   uma   ocasião especial   deve   ser   dado   de   uma   maneira   atípica:   Em   uma   bacia      de   ágata   com   água   do   mar   é   adicionado   waji   e   é   colocada      no   topo de sua sopeira e depois sacrifica pato na bacia, nunca no okutá ou na sopeira. Você pode sacrificar dois galos lá também. Iyá   Ogun,   Iyá   T’Ogun   e   Ogunté   Assim   como   existem   os   três   irmãos   guerreiros:   Já,   Jagun   e   Ajagunan   existem   três   irmãs   guerreiras filhas   de   Olokun   que   são   Iyá   Ogun,   Iyá   T’Ogun   e   Ogunté,   cada   uma   ligada   a   um   orixá.   São   muito   parecidas   e   quentes,   o   que   as difere   são   os   orisás   com   quais   fazem   oro.   Para   Todas   é   imprescindível   que   se   arrume   o   Orisá   Ogun   Alagbedé.   São   conhecidas como Iyemanjá Ogun. Iyá   Ogun:   Esta   Iyemanjá   também   é   conhecida   como   Iyá   Ogun   Ajipo,   vive   no   rio   e   possui   seios   enormes.   Guerreira   e   valente.   É   ela quem   proporciona,   às   mulheres   maduras,   a   possibilidade   de   gerarem   filhos,   suas   contas   são   todas   em   tons   cristais   incluindo   seu kele, se veste de branco e azul claro, ligada a Odé Arole e Ogun Alagbedé e todas comem Agutan (carneiro). Iyá   T’Ogun:   Também   conhecida   como   Iyá   Ogun   Asomi.   Possui,   como   suas   irmãs,   caráter   guerreiro   e   combativo.   Costuma   portar duas   espadas   ou   facões   de   lâminas   longas.   Habita   a   superfície   dos   mares,   mas   pode   também   ser   encontrada   nos   pântanos próximos   do   mar.   É   companheira   de   Omolu   Azawani   e   Sango   e   devem   ser   arrumados   para   a   mesma   logo   na   iniciação.   Suas   contas são todas azuis escuras cristal incluindo seu kele. Veste-se de branco e azulão e seu abebé é em formato de peixe. Iyá   Ogunté:   Também   conhecida   como   Iyá   Okunté.   Esta   Yemanjá.   Esta   é   a   mais   guerreira   de   todas,   vive   com   Ogun   Algbedé   em campanhas   de   guerra.   É   mãe   também   de   Ogun   Alokoro   e   tem   caminhos   com   Oxoguian.   Seu   kele   é   feito   de   miçanga   verde   cristal ou   azul   claro   cristal   e   se   veste   de   branco   com   verde   escuro,   branco   com   azul   claro,   verde   com   azul   e   porta   um   punhal   nos   seios   e outro na cintura junto com o Axofá e na mão trás o alfanje.